Tartaruga gigante do tamanho de um rinoceronte é encontrada

Tartaruga gigante do tamanho de um rinoceronte é encontrada

25 de novembro de 2022 0 Por Jonas Estefanski
Compartilhar:

Uma tartaruga de proporções bíblicas, recebeu o nome de um monstro marinho.

Um artigo publicado na Scientific Reports apontou que uma nova espécie de tartaruga marinha foi descoberta na Espanha. Apesar de “nova”, se trata de um animal que viveu entre 83,6 a 72,1 milhões de anos atrás, no final do período cretáceo. Os fósseis dela foram escavados entre 2016 e 2021 e sugerem que quando viva a tartaruga poderia ter 3,47 metros de comprimento corporal.

A maior espécie de tartaruga marinha já encontrada foi catalogada devido a fósseis encontrados na região do Kansas, nos Estados Unidos. Esses animais do gênero Archelon circundavam os mares norte-americanos e atingiam 4,6 metros do focinho até o rabo. Mesmo os achados na Europa não sendo os maiores já encontrados no mundo, a espécie descoberta lá é a maior já encontrada no continente, que até então não passavam de 1,5 metros.

Os fósseis da tartaruga gigante

Até o momento, pensava-se que as maiores tartarugas marinhas que já navegaram nos oceanos, como os protostegídeos Archelon e Protostega, estavam restritas à América do Norte durante o último Cretáceo (Campaniano-Maastrichtiano)”, escreveram os autores.

Os vestígios foram encontrados no nordeste espanhol, em Cal Torrades e são uma pelve fragmentada, mas quase completa, e partes da carapaça.

Mas sua bacia pélvica é o que chama atenção. Proeminências que se projetam próximas a pélvis, fazem com que ela seja distinta de qualquer outra espécie já encontrada, viva ou fossilizada. Acredita-se que as protuberâncias podem estar relacionadas ao sistema respiratório.

A nova espécie de tartarugas marinhas têm sido chamadas de Leviathanochelys aenigmatica e representam um novo grupo desses animais.

Os fósseis descobertos indicam que as tartarugas gigantes da Europa e da América do Norte evoluíram essas características a partir de linhagens independentes, podendo o desenvolvimento da espécie europeia estar ligado às condições únicas encontradas nos mares europeus da época.

Fonte:

Olhar Digital