Gigantes que conviveram com humanos e hoje não existem mais

Gigantes que conviveram com humanos e hoje não existem mais

20 de novembro de 2022 0 Por Jonas Estefanski
Compartilhar:

É difícil imaginar que em 10 milhões de anos atrás (ou muito mais) haviam tantos animais diferentes e gigantescos na Terra. Temos a simples ideia de que os dinossauros foram os mais tenebrosos e assustadores predadores, mas acreditem, existiam tantas outras criaturas que dão até um frio na espinha.

Vale lembrar que em alguns deles ainda tiveram contato com o humano e foram extintos há relativamente pouco tempo, como os Mamutes extintos a 1,6 mil anos.

Fizemos uma lista de alguns animais gigantes que chegaram a sobreviver com o ser humano e que hoje não existem mais. Confira:

Elasmotherium

Conheça os gigantes que conviveram com humanos

Elasmotherium, também conhecido como Rinoceronte gigante da Sibéria. Era um enorme rinoceronte , com dois metros de altura, seis metros de comprimento e um chifre único em sua testa com dois metros de altura.

Acredita-se que o Elasmotherium deu origem ao mito moderno do Unicórnio, como descrito por testemunhas na China e Pérsia.

Toxodon

Conheça os gigantes que conviveram com humanos
Esqueleto de um toxodon exposto no Museu Argentino de Ciências Naturais Bernardino Rivadavia, em Buenos Aires

O toxodonte (Toxodon platensis) habitou a Argentina, Uruguai, Paraguai, Bolívia e Brasil do final do Plioceno até época relativamente recente. Toxodon significa “dente de flecha” e platensis provavelmente relacionado a Plata, da Argentina.

De tamanho comparável ao de um rinoceronte (1300 kg para 3 m de comprimento mais 50 cm de cauda), foi o último representante de um grupo de mamíferos com cascos exclusivo da América do Sul, os notoungulados. O crânio tinha 70 cm de comprimento e a dentição era característica de animais de pasto.

Seus fósseis já foram encontrados em associação com pontas de flechas, o que indica que sua extinção pode estar relacionada à caça movida pelos primeiros indígenas da América do Sul.

Teratornis

Teratornis (pássaro real extinto)
Teratornis (pássaro real extinto)

Teratornis (do grego Teratornis, “aves monstro”) eram aves de rapina muito grandes, que viveram na América do Norte e América do Sul a partir do Mioceno ao Pleistoceno. Elas estão relacionadas com o condor, mas pertencem a uma família diferente. Elas incluem algumas das maiores aves voadoras conhecidas.

Ele tinha cerca de 75 cm de altura com uma envergadura estimada de talvez 3,5-3,8 metros, e pesava cerca de 15 kg ; fazendo-o ligeiramente maior do que condores existentes. Foi extinto no final do Pleistoceno, a cerca de 10 mil anos atrás.

Dodô

Um esqueleto incompleto do dodo em sala do Museu de História Natural de Maurício (Foto: © Haroldo Castro/ÉPOCA)
Um esqueleto incompleto do dodo em sala do Museu de História Natural de Maurício (Foto: © Haroldo Castro/ÉPOCA)

Esse pássaro simpático e gorducho desapareceu no século 17 com a chegada dos colonizadores ao seu hábitat, a ilha Maurício, a 1 900 quilômetros da costa africana, no oceano Índico.

Pouco maior que um peru e pesando cerca de 23 quilos, o dodô era um pombo gigante da família Raphidae. Como tinha asas curtas e frágeis, não conseguia voar.

Referências:

http://www.rhinoresourcecenter.com/

Toxodon

Teratornis