Vale das Baleias, no deserto ocidental do Egito

Vale das Baleias, no deserto ocidental do Egito

7 de novembro de 2022 0 Por Jonas Estefanski
Compartilhar:

Vale das Baleias, no deserto ocidental do Egito

Como assim, um vale das baleias em pleno deserto do Egito? Pois é, caro leitor, baleias no deserto, sim! O local, Wadi Al-Hitan, de tão especial, tornou-se Patrimônio Mundial pela Unesco. E o site do órgão explica o motivo: contém inestimáveis ​​restos fósseis da mais antiga e agora extinta subordem de baleias, Archaeoceti. Desse modo, esses fósseis representam uma das principais histórias da evolução: o surgimento da baleia como um mamífero oceânico de uma vida anterior como animal terrestre. E completa: Este é o local mais importante do mundo para a demonstração deste estágio de evolução. Retrata vividamente a forma e a vida dessas baleias durante sua transição. Os fósseis de Al-Hitan mostram os arqueocetos mais jovens nos últimos estágios de perda de seus membros posteriores.

Baleia antiga ainda em transição
O ‘bicho’ ainda em transição segundo desenho artístico do Australian National Maritime Museum.

‘Evidências dramáticas de uma das histórias icônicas da evolução’

Antes de mais nada, esta é outra definição da Unesco ao se referir ao Vale das Baleias. A propriedade do Patrimônio Mundial Natural, diz o órgão,  é uma zona estritamente protegida, inserida na paisagem mais ampla da atraente Área Protegida Wadi El-Rayan.

Localização do Vale das Baleias, Egito
Localize-se. Imagem, www.africanworldheritagesites.org.

Um local de referência global excepcional devido ao número, concentração, qualidade e acessibilidade das evidências das primeiras baleias, muitas vezes na forma de esqueletos completos, e o registro do ambiente em que viviam.

Archaeoceti

Desde a Grécia antiga, diz a monografia de Ana Maria Souza Jacobina,  já se sabia que os cetáceos eram mamíferos terrestres que se adaptaram à vida aquática. Acredita-se que os cetáceos evoluíram a partir de ancestrais terrestres primitivos há mais de 70 milhões de anos.

réplica de esqueletos de Archaeoceti
Réplicas de esqueletos e modelos de três arqueocetos (cetáceos antigos) mostram sua evolução, de mamífero terrestre peludo Pakicetus (direita) para o anfíbio Ambulocetus natans (centro) e depois para o totalmente aquático Dorudon (esquerda). FOTOGRAFIA ANDREW FROLOWS/Australian National Maritime Museum.

Segundo o www.egyptianstreets.com, de 40 a 50 milhões de anos, Wadi al-Hitan é uma descoberta (1902) milagrosa paleontológica; embora não seja a  mais antiga do mundo.

PUBLICIDADE

Fóssil no Vale das Baleias
Fóssil no Vale das Baleias. Imagem, www.egyptianstreets.com.

Contudo, ele apresenta um subconjunto interessante de perguntas que ainda precisam ser respondidas – em vez disso, apresenta mais perguntas do que respostas, ponto final. Ainda assim, com milhões de restos esqueléticos intactos, incluindo alguns com o conteúdo de seus estômagos disponíveis para estudo, Wadi al-Hitan é uma descoberta notável e revolucionária.

E, prossegue, A grande coleção de fósseis representa uma promessa científica, consistindo em uma subordem de baleias há muito extinta conhecida como archaeoceti revelada por ventos, erosão e escavações arqueológicas. À parte de suas contrapartes modernas e marítimas, a adição crítica de pernas sugere uma origem terrestre para as baleias como espécie.

Mundo estranho este nosso, não é mesmo?

Elo perdido encontrado em 2005

Segundo o www.egyptianstreets.comFoi somente em 2005 que os cientistas descobriram o “elo perdido” entre as baleias e seu parente mais próximo, o hipopótamo. Esta foi uma pesquisa conjunta que comparou as descobertas de Wadi al-Hitan com fósseis de cetáceos encontrados no Paquistão. Surpreendentemente, as baleias foram colocadas em um grupo taxonômico que incluía animais como camelos, porcos e girafas.

Você também pode visitar o Vale das Baleias

A partir de 1997, Wadi el-Rayan tornou-se uma área de excursão popular para os cairenses e, em 2003, um Centro de Visitantes bem equipado com um teatro audiovisual e um museu de fósseis foi instalado na margem ocidental do lago. Folhetos, um vídeo e um site foram produzidos para o local que é visitado por cerca de 150.000 pessoas ao ano.

Contudo, caso tenha dificuldades ao pesquisar no site oficial, é só colocar no Google Wadi Al-Hitan para encontrar diversos sites que oferecem passeios na região e conhecer um pouco mais sobre nossos antepassados.

Assista ao vídeo e saiba mais

Wadi Al-Hitan (Whale Valley) (UNESCO/NHK)

Privatização de praias: Prefeitura de Paulista, PE, vai desbloquear acessos à Maria Farinha