Touro “Cemitério” chama atenção do público durante a 1ª ExpoIrati

Touro “Cemitério” chama atenção do público durante a 1ª ExpoIrati

18 de agosto de 2022 0 Por ucrhyan
Compartilhar:

O touro “Cemitério”, durante apresentação no Rodeio Country da 1ª ExpoIrati, realizada neste fim de semana no CT Willy Laars. Foto: Ibraim Barbosa

Animal pertence à Companhia São Judas Tadeu, de Castro, e impressionou aqueles que passaram pelo CT Willy Laars durante o fim de semana/Paulo Henrique Sava, com reportagem de Jussara Harmuch

O touro “Cemitério” chamou a atenção de todos que assistiram ao Rodeio Country da 1ª ExpoIrati, realizada no último fim de semana no CT Willy Laars. O empresário Ibraim Barbosa, da Companhia São Judas Tadeu, de Castro, proprietária do animal, relatou que “Cemitério” é um touro diferenciado dos demais animais brasileiros da mesma espécie porque pula no estilo norte-americano.

“Ele é um touro diferenciado dos outros aqui no Brasil porque pula no estilo norte-americano porque não usa sedém (cinta utilizada para estimular o animal, feita de material macio, como lã ou algodão e de comprimento máximo de 2,5 m), mas apenas uma cordinha flanc. Todo mundo que ver as fotos dele em destaque vai perceber a diferença disso. É um sinal de bons tratos, e não tem estímulo nenhum: esta cordinha é só para ele sentir uma sensibilidade e que ele consegue dar os pulos mais rápido ainda”, frisou.

Ibraim esclareceu que o touro não sofre qualquer tipo de maus tratos durante as provas. “O pessoal fala (que tem sofrimento), mas isto é mito, e este touro é uma prova disso, pois esta cordinha é feita de lã, com a qual ele só é estimulado para dar o coice. O touro fica querendo tirar aquela cordinha que faz cócegas e só encosta no animal, não é forçada de maneira nenhuma, é bem frouxa, e é o que faz ele pular. A índole é da natureza dele mesmo, ninguém o incentivou a fazer isto”, comentou.

O touro “Cemitério” tem 3 anos de idade e faz exercícios de trote regularmente na própria companhia, intercalando com repousos e uma dieta balanceada. O animal consome cerca de 10 a 12 kg de ração concentrada por dia e tem acompanhamento de uma nutricionista da cidade de Castro.

Além de “Cemitério”, a Companhia, que é nova no mundo do rodeio, também trouxe para Irati os touros Pó de Ouro, Trinca Ferro e Taça. “Nós somos novos no mundo do rodeio, pois estamos começando neste ano. Temos 5 touros que estão se destacando bem. Já viemos de outras etapas nas quais ganhamos fivela de melhor touro com o Pó de Ouro. Estamos muito satisfeitos, mas prezamos muito pelo trato deles (touros)”, comentou.

Ibraim Barbosa, representante da Companhia São Judas Tadeu, proprietária do touro “Cemitério”. Foto: Jussara Harmuch

Os touros ficaram hospedados na chácara do vereador José Ronaldo Ferreira, o Ronaldão, e eram levados para o CT momentos antes das provas. Ronaldão falou sobre a estrutura disponível no local para abrigar os animais. “Aqui na minha chácara tem lugar para eles comerem, beberem água e descansarem, e toda tarde eles vão para o evento. Terminando, eles voltam para cá, pode ser meia noite ou uma hora da madrugada, eles estão aqui de volta”, pontuou Ronaldão.

Cada caminhão tem espaço para transportar um número determinado de animais, para que eles tenham conforto durante a viagem e o translado do local de repouso para o CT, conforme Ibraim. “Estes animais são muito valiosos, então a gente tem um carinho por eles e, de forma alguma, queremos o mal deles”, ressaltou.

Em entrevista à Najuá, o peão Márcio Oliveira, de Missal-PR, destacou que os peões permanecem junto dos animais não somente durante o evento, mas também nos momentos de descanso. Ele também falou sobre a dificuldade de montar em “Cemitério”. “Nós estamos presentes na hora do descanso e do evento. Ontem (sexta-feira, 05), eu já levei um golpe desse boi. O cemitério é problema”, comentou.

Márcio Oliveira, peão de Missal-PR, foi o responsável por montar o touro “Cemitério” durante a 1ª ExpoIrati. Foto: Jussara Harmuch

O prefeito Jorge Derbli (PSDB) destacou que a questão do bem-estar dos animais que se apresentaram durante o rodeio foi uma das maiores preocupações dos organizadores da ExpoIrati. “A questão do bem-estar animal é uma das que preservamos muito aqui no rodeio, porque o touro não merece sofrer. Ele é utilizado na hora do rodeio, mas estão bem acomodados, alimentados e com água. Nós nos precavemos muito sobre esta questão porque fomos orientados inclusive pelos órgãos de vigilância e fiscalização a cuidar bem dos animais, e pedi isso a eles. O bem-estar animal é imprescindível”, pontuou.

Derbli ficou surpreso com a quantidade de pessoas que passaram pelo CT Willy Laars durante a 1ª ExpoIrati. Ele ressaltou que a chuva do fim de semana não atrapalhou as festividades. “Um cidadão falou para mim: ‘Olha a chuva prefeito, que veio para atrapalhar’, e eu disse que não, a chuva veio para regar esta semente da 1ª ExpoIrati, que vai crescer e se tornar forte. Na sequência, muitas festas como esta irão acontecer”, pontuou.

Ouvintes Najuá – Aleixo Simon, da comunidade de Paiol do Fundo, Thomaz Simon, da localidade de Passo do Tio Paulo, e Luiz Fernando da Silva, todos moradores do município de Palmeira, estiveram visitando a 1ª ExpoIrati e são ouvintes assíduos da Najuá. “Nós somos muito ouvintes da rádio, acompanhamos ela durante a semana, aos domingos, a Rose Harmuche, somos fãs dela, meu pai e minha mãe de manhã cedo já escutam. O senhor Hélio Araújo, no Pinheiral da Serraria também é ouvinte, acompanhamos a previsão do tempo, as ocorrências policiais, somos muito ouvintes da rádio Najuá”, finalizou.

Prêmios – Durante a 1ª ExpoIrati, algumas empresas parceiras da cobertura Najuá sortearam brindes para os seus clientes. Joyce Caroline e Sirene Alice ganharam cestas da BeautyColor. Luiz Gustavo Krezanoski foi o ganhador da cesta da Afubra.

Apresentação do Touro “Cemitério”. Foto: Osmair Turco