Sinais de espécie humana extinta há 500.000 anos são achados na Polônia

Sinais de espécie humana extinta há 500.000 anos são achados na Polônia

20 de outubro de 2022 0 Por Jonas Estefanski
Compartilhar:

Análises em ferramentas de pedra encontradas em caverna polonesa nos anos 1960 revelaram que os objetos são muito mais antigos do que se pensava: eles teriam entre 450.000 e 550.000 anos. O local é chamado de caverna Tunel Wielki, em Małopolska, e sua nova datação sugere comportamentos bem interessantes dos nossos ancestrais hominídios.

Pela época, os habitantes teriam sido Homo heidelbergensis, considera o último ancestral comum dos Homo neanderthalensis, os neandertais, e dos Homo sapiens, os humanos modernos. A parte mais curiosa, no entanto, é notar que a Europa Central era habitada por nossos ancestrais em uma época de clima severo, o que provavelmente requereu ajustes culturais e físicos muito grandes.

Ferramentas líticas de 500.000 anos encontradas em Tunel Wielki, na Polônia (Imagem: Kot et al./Scientific Reports)

Cavernas, ferramentas e ancestrais

Nas primeiras vezes em que Tunel Wielki foi estudada, em 1960 e em 2016, a datação dos materiais encontrados os colocou no período Holoceno, há cerca de 11.700 anos, e nos meados do Paleolítico, chegando a 40.000 anos atrás. Retornando novamente em 2018, os cientistas reabriram e aumentaram as escavações, examinando as várias camadas acumuladas e coletando ossos para análise.

Estudos nas camadas superiores confirmaram a presença de animais do final do Pleistoceno e do Holoceno, mas a camada mais funda era bem mais velha: lá, havia ossos de espécies que viveram há meio milhão de anos, como o jaguar-europeu (Panthera gombaszoegensis), o lobo de Mosbach (Canis mosbachensis, ancestral dos lobos-cinzentos) e o urso de Deninger (Ursus deningeri).

Na mesma camada, foram encontrados restos de pedra lascada, incluindo as lascas das quais ferramentas podiam ser esculpidas e os moldes nos quais nossos ancestrais golpeavam. Algumas ferramentes finalizadas também estavam presentes, como facas. Como compartilhavam o espaço com os ossos, sua idade é muito similar.

Esquema mostrando os restos de animais encontrados na caverna, cuja idade é estimada como sendo do Pleistoceno (Imagem: Kot et al./Scientific Reports)

Por que o achado é incomum?

Outros sítios na Polônia apresentaram ferramentas da mesma época — Trzebnica e Rusko —, mas Tunel Wielki é diferente. Apesar de habitação humana, estes outros locais ficam a céu aberto, enquanto os artefatos dos quais falamos estão em uma caverna. Há 500.000 anos, é surpreendente ver ancestrais humanos em um local como esse, já que não é um dos melhores lugares para se acampar: é frio e úmido, difícil de se habitar.

Por outro lado, cavernas são locais fechados que providenciam uma sensação de segurança. Algumas evidências no local apontam para o uso de fogo, que pode ter ajudado a deixar o ambiente menos insalubre para os H. heidelbergensis que ali ficaram. Mas os aspectos interessantes do achado não terminam por aí.

As técnicas para lascar pedra observadas na caverna são incomuns. É a mais simples utilizada pelos nossos ancestrais, e, na época em que as ferramentas foram criadas, era raramente a preferida para a fabricação. Ficava, geralmente, reservada para materiais de pior qualidade, ou quando havia pouco suprimento de pedra de lascar. Só outro local, na mesma época, utilizada a mesma técnica como primária: Isernia La Pineta, na Itália.

A questão é que a pedra de Tunel Wielki não era de má qualidade e nem escassa, já que podia ser encontrada facilmente na região. O mesmo vale para o sítio italiano citado acima. Isso pode ajudar os cientistas a descobrirem mais sobre a preferência humana pela técnica: agora, eles planejam retornar à caverna para buscar por ossos de H. heidelbergensisi, que ainda não foram encontrados no local.

Fonte: Scientific Reports