Raro peixe-mão-rosa ‘andarilho’ é registrado em alto mar na costa da Tasmânia

Raro peixe-mão-rosa ‘andarilho’ é registrado em alto mar na costa da Tasmânia

8 de fevereiro de 2022 0 Por Jonas Estefanski
Compartilhar:

Último peixe-mão-rosa havia sido visto em 1999

Esta imagem possui correção de cor (CSIRO/CC POR 3.0)

Por Epoch Times 

Pesquisadores oceânicos realizando um estudo na costa da Tasmânia recentemente tiveram um encontro raro e emocionante com um peixe-mão rosa “andarilho”, um estranho nadador que não havia sido visto em 22 anos.

Ao abaixar uma câmera com isca para o fundo do mar para espiar os recifes de corais profundos do Fracture Marine Park da Tasmânia – uma área protegida do tamanho da Suíça – os cientistas capturaram novas imagens da espécie incomum na primavera passada.

Mas até outubro, uma assistente de pesquisa viu o peixinho rosa.

Um peixe-mão na costa da Tasmânia (CSIRO/CC BY 3.0)
Um peixe-mão na costa da Tasmânia (CSIRO/CC BY 3.0)

Em imagens de estúdio, várias lagostas são vistas competindo pelo anzol perto da câmera enquanto um dos crustáceos perturba um peixe-mão rosa (Brachiopsilus dianthus) escondido entre algas e corais em movimento.

O peixinho não reage bem à intrusão e sai de vista.

“Eu estava assistindo a um de nossos vídeos brutos e havia um peixinho que apareceu nesta borda do recife que parecia um pouco estranho”, relatou a pesquisadora Ashlee Bastiaansen, do Instituto de Estudos Antárticos e Marinhos da Universidade da Tasmânia, à ABC.

“Eu olhei para ele mais de perto e você podia ver suas mãozinhas.”

Um peixinho rosa entre lagostas competindo pela isca (Cortesia do Institute for Marine and Antarctic Studies/Parks Australia via University of Tasmania)
Um peixinho rosa entre lagostas competindo pela isca (Cortesia do Institute for Marine and Antarctic Studies/Parks Australia via University of Tasmania)

O estudo foi um esforço conjunto da universidade e da organização Parks Australia para compreender e documentar as espécies que habitam os “ambientes inóspitos”, declarou o líder da expedição, Neville Barrett, professor associado da Universidade da Tasmânia.

“A colaboração é a chave para estudar este notável parque marinho onde montes submarinos e cânions abrigam uma notável diversidade e abundância de criaturas marinhas, a maioria das quais não são encontradas em nenhum outro lugar do mundo”, acrescentou Jason Mundy, da Australian Parks.

O parque se destaca por sua principal característica ecológica: uma fissura de 4 quilômetros de profundidade na qual a vida marinha foi encontrada a mais de 4.000 metros de profundidade.

Detalhe do peixe mão rosa visto na primavera passada (Cortesia do Instituto de Estudos Marinhos e Antárticos/Parques Australianos via Universidade da Tasmânia)
Detalhe do peixe mão rosa visto na primavera passada (Cortesia do Instituto de Estudos Marinhos e Antárticos/Parques Australianos via Universidade da Tasmânia)

O peixe-mão-rosa, como outros peixe-mão, é muito raro, já que utiliza suas grandes barbatanas frontais como “pernas” para “caminhar” no fundo do oceano em vez de nadar, embora também o faça, como mostram as imagens.

A variedade rosa é um dos 14 tipos de peixe-mão que se encontram na Tasmânia, e pensava-se que só habitavam baías abrigadas em regiões rasas.

O avistamento recente contradiz essa ideia, oferecendo “boas notícias” para a espécie, afirmou Mundy.

“A maior surpresa foi encontrar um peixinho rosa no parque a uma profundidade de cerca de 120 metros”, relatou Barrett.

“Antes desse avistamento, a espécie havia sido registrada apenas quatro vezes e foi listada como uma espécie rara sob a Lei de Espécies Ameaçadas da Tasmânia no início deste ano.”

“Esta é uma descoberta emocionante e oferece esperança para a sobrevivência do peixe-mão-rosa, pois claramente possui um habitat e distribuição mais amplos do que se pensava anteriormente.”

O último peixe-mão-rosa havia sido visto na costa da Península da Tasmânia em 1999.

A espécie foi recentemente classificada como ameaçada de extinção, mas o novo avistamento oferece esperança de que mais possam ser encontrados e sua classificação como em perigo de extinção possa ser revertida.

“A equipe de pesquisa espera encontrar mais peixes-mão e outras espécies incomuns nesta área no futuro, como parte de estudos colaborativos em andamento apoiados pela Parks Australia”, acrescentou Barrett.