Poderosa tempestade solar quase causou uma guerra nuclear entre os EUA e a União Soviética

Poderosa tempestade solar quase causou uma guerra nuclear entre os EUA e a União Soviética

20 de fevereiro de 2022 0 Por Jonas Estefanski
Compartilhar:




A liderança da Força Aérea dos EUA, que não tinha conhecimento da próxima tempestade solar, assumiu que foi a URSS que desativou seus sistemas de radar e, portanto, alertou aeronaves equipadas com armas nucleares.

O fato de que o clima no Sol afeta a operação da tecnologia na Terra é conhecido há muito tempo. 
Por exemplo, já em setembro de 1859, uma tempestade geomagnética causada por uma ejeção de massa coronal derrubou os sistemas telegráficos da Europa e da América do Norte. 
No entanto, a atividade do Sol pode não apenas abalar o funcionamento dos sistemas na Terra, mas também causar preparativos para o início das hostilidades.


Monitoramento da atividade solar
A Força Aérea dos EUA começou a monitorar 
a atividade solar e o clima espacial – distúrbios no campo magnético da Terra e na atmosfera superior – regularmente no final da década de 1950. 
Na década de 60, unidades criadas pela Força Aérea dos EUA rastreavam as erupções solares – processos explosivos de liberação de energia na atmosfera do Sol. 
São eles que causam distúrbios no campo magnético do nosso planeta e podem levar à interrupção das comunicações de rádio e a falhas na transmissão de eletricidade através das linhas de energia.

Essas unidades contrataram observadores em todos os Estados Unidos e além, que relatavam regularmente “previsões de tempo ensolarado” ao Comando de Defesa Aeroespacial da América do Norte (NORAD), o sistema de defesa aeroespacial conjunto EUA-Canadá. 
Em 1967, vários observatórios enviavam informações diretamente para lá diariamente.
Os EUA quase iniciaram uma guerra devido a uma explosão solar não anunciada
Em 18 de maio de 1967, um grupo incomumente grande de manchas escuras com poderosos campos magnéticos apareceu em uma das regiões do Sol. 
Em 23 de maio, observadores e meteorologistas notaram que a estrela havia aumentado sua atividade e se preparado para uma grande explosão.

De fato, observatórios no Novo México e Colorado logo registraram um flash que pode ser visto a olho nu, e um observatório em Massachusetts relatou que o sol estava emitindo uma quantidade incomumente grande de ondas de rádio. 
Uma grande tempestade geomagnética era esperada na Terra em 36-48 horas.
Na hora prevista, os radares de todos os três sistemas de alerta de mísseis balísticos dos EUA (BMEWS) localizados no Hemisfério Norte foram interrompidos. 
Esses radares, projetados para detectar mísseis soviéticos, parecem ter sido deliberadamente bloqueados. 
Qualquer influência externa nas estações americanas – incluindo o bloqueio de radares – era considerado um ato hostil, equivalente a uma declaração de guerra.
Imagem do Sol tirada em 23 de maio de 1967. Crédito: Arquivo histórico do Observatório Solar NacionalImagem do Sol tirada em 23 de maio de 1967. Crédito: Arquivo histórico do Observatório Solar Nacional
A liderança da Força Aérea dos EUA, que não sabia da tempestade que se aproximava, assumiu que foi a URSS que desativou seus sistemas e, portanto, alertou aeronaves equipadas com armas nucleares. 
O planeta foi salvo desde o início de um novo conflito por uma ligação do posto de comando do NORAD – a liderança da Força Aérea perguntou se havia alguma atividade incomum no Sol. 
Os meteorologistas do espaço relataram a atividade da estrela nos últimos dias, e os preparativos para uma possível ação militar cessaram.

A tempestade geomagnética, que começou 40 horas após o surto, interrompeu as comunicações de rádio nos Estados Unidos por quase uma semana e foi tão poderosa que as luzes do norte foram visíveis no estado do Novo México, localizado no sudoeste do país.
Apesar do fato de os autores do artigo chamarem os acontecimentos de “mais uma sobreposição do que um desastre”, só podemos nos alegrar que nenhum erro tenha acontecido e o Sol não tenha feito o clima na frente militar dos EUA. 
Afinal, quem sabe como os eventos se desenvolveriam ainda mais.