Pedaço de foguete da SpaceX, de Elon Musk, é encontrado no Paraná ?

Pedaço de foguete da SpaceX, de Elon Musk, é encontrado no Paraná ?

18 de março de 2022 0 Por Jonas Estefanski
Compartilhar:

Um possível pedaço de lixo espacial metálico, que parece ser de um foguete da SpaceX, caiu na propriedade de moradores de São Mateus do Sul, no Paraná. O objeto de 4 m de comprimento foi encontrado nesta quarta-feira (16) com sua estrutura retorcida, e pode ser o componente que revestiu um motor Merlin de um foguete Falcon 9, que reentrou na atmosfera durante a semana passada.

O objeto foi encontrado pelo mecânico e agricultor João Ricardo, que contou ao portal RDX que o encontrou enquanto percorria a propriedade. “No começo, pensei que fosse uma barraca”, disse. Contudo, ao observá-lo melhor, ele percebeu que o objeto tinha estrutura metálica e logo se lembrou de ter ouvido um forte som durante a madrugada do dia 8, quando o segundo estágio de um foguete Falcon 9 realizou uma reentrada na atmosfera.

Confira o vídeo abaixo, em que os moradores da propriedade mostram o objeto:


A peça tem aproximadamente 4 m de comprimento e 6 de diâmetro e, curiosamente, parece ser feita de um metal muito fino, que dificilmente resistiria à reentrada. Essa característica chama a atenção, já que grande parte dos foguetes é feita de liga de alumínio, um material mais leve que permite sua destruição durante a passagem pela atmosfera. Mesmo assim, especialistas acreditam que o objeto seja, de fato, o componente do foguete.

Possível origem do lixo espacial

A equipe da Rede Brasileira de Observação de Meteoros (BRAMON) considera haver chances altíssimas de o objeto realmente pertencer ao veículo lançador da SpaceX. Os especialistas da instituição notaram que São Mateus do Sul fica bem abaixo da trajetória de reentrada do veículo, ocorrida na semana anterior. Além disso, o objeto tem tamanho compatível e outras semelhanças com a tubeira que cobre o motor Merlin 1D, do segundo estágio do Falcon 9.

Indicações das semelhantes entre a tubeira que reveste os motores Merlin e o objeto encontrado (Imagem: Reprodução/Jocimar Justino / BRAMON)

O astrônomo Diego de Bastiani explica que, quando o lixo espacial entra em contato com a atmosfera, há um atrito. Devido à velocidade, ele entra em combustão e se fragmenta. “Geralmente, esses pedaços são consumidos na entrada, mas podem cair no solo ou em oceano”, relatou. Segundo a BRAMON, esse componente é formado por uma liga de nióbio e titânio, conhecida por maior resistência a altas temperaturas — o que explicaria o porquê de ter resistido à passagem pela atmosfera.

Já Rogério Toniolo, físico e professor da Pontifícia Universidade Católica do Paraná (PUC-PR), concorda que essa “parte da carcaça” tem características que sugerem se tratar da peça de um foguete que resistiu à reentrada e atingiu o solo. “A SpaceX tem lançado muitos foguetes e produzido bastante lixo espacial, então eu diria que tem uma certa possibilidade de que seja alguma parte de foguete deles”, concluiu. De qualquer forma, ainda é necessário aguardar novas análises para chegar a uma conclusão definitiva da natureza do objeto.

O possível lixo espacial pode ter vindo do segundo estágio de um Falcon 9 lançado em dezembro, na Flórida. Na ocasião, o veículo levou à órbita o satélite Turksat 5B, da Turquia, que deverá oferecer cobertura de banda larga para este e outros países. Após o lançamento, o foguete continuou na órbita até o dia 8 de março, quando reentrou na atmosfera terrestre.

Fonte: Portal RDXBramonG1Tribuna