O “segredo” da morte programada dos polvos após a reprodução

O “segredo” da morte programada dos polvos após a reprodução

20 de maio de 2022 0 Por Jonas Estefanski
Compartilhar:

artigo original www.biologo.com.br

A morte programada dos polvos: pesquisa norte-americana liderada por cientistas do Departamento de Neurobiologia da Universidade de Chicago revela mecanismo por trás do comportamento do cefalópode.

O “segredo” da morte programada dos polvos após a reprodução

16/5/2022 ::  por Marco Pozzana, biólogo

Há tempos os biólogos ficam intrigados com o comovente comportamento reprodutivo imortalizado no filme Professor Polvo.

O fantástico polvo: inteligência e adaptação - documentário - Biólogo

Não está claro por que a evolução dos polvos resultou na “autodestruição” após o acasalamento, mas agora sabemos mais sobre os mecanismos biológicos que determinam a dramática morte na qual a glândula óptica está envolvida.

Morte programada

Após completar seu ciclo reprodutivo e botar ovos, polvos fêmeas estão condenadas por um mecanismo natural: Param de se alimentar e começam a soltar tentáculos e pele, até por meio de automutilação. Nesta fase de vulnerabilidade, esses moluscos cefalópodes podem ser uma refeição fácil para os predadores. Mesmo os machos, acabam morrendo um pouco depois.

polvo-gif - Voz do Bico

O ritual de acasalamento pode durar várias horas ou dias com a fêmea podendo ser fecundada por um ou mais parceiros nesse período. De acordo com a espécie, a fêmea deposita os ovos fecundados em fileiras ou isoladamente. Durante a maturação, a fêmea protege os ovos. 

Durante esse período a fêmea não se alimenta e morre logo depois e os machos normalmente morrem poucas semanas após o acasalamento.

Hormônios esteróides do sistema de autodestruição do polvo

Na pesquisa Hormônios esteróides do sistema de autodestruição do polvo esse mecanismo biológico foi melhor compreendido. A equipe liderada por cientistas do Departamento de Neurobiologia da Universidade de Chicago colaborou estreitamente com colegas do Departamento de Química da Universidade de Washington e da Universidade de Illinois em Chicago (UIC).

Coordenados pelo professor Z. Yan Wang, professor de Psicologia e Biologia da universidade norte-americana, cientistas chegaram às suas conclusões após descobrirem as alterações metabólicas que ocorrem na glândula óptica, órgão semelhante à hipófise ou hipófise do ser humano , responsável pela produção de nove hormônios distintos.

No polvo, a glândula óptica – localizada entre os olhos – está envolvida nos processos de maturação sexual e envelhecimento. Estudos anteriores mostraram que, ao removê-lo, polvos fêmeas vivem meses extras após a desova. Por isso, parecia evidente que o órgão poderia desempenhar um papel importante no mecanismo de “morte programada”.

Após análises minuciosas, Wang e seus colegas descobriram que uma mudança significativa nos processos metabólicos relacionados ao colesterol é desencadeada na glândula óptica, resultando em um aumento nos hormônios esteróides produzidos.

Como as alterações no metabolismo do colesterol também causam consequências graves em humanos e outros animais, a pesquisa tem atraído um interesse especial. Os detalhes da pesquisa “Steroid hormones of the octopus self-destruct system” foram publicados na revista científica Current Biology.

Fontes e referências: