Notas de R$ 5, R$ 10 e R$ 50 podem valer até R$ 4 mil; entenda 

Notas de R$ 5, R$ 10 e R$ 50 podem valer até R$ 4 mil; entenda 

9 de julho de 2022 0 Por ucrhyan
Compartilhar:

Cédulas com defeitos de impressão ou que saíram de circulação passaram a ser disputadas por colecionadores

As notas velhas de R$ 5, R$ 10 e R$ 50, largadas ou esquecidas nas carteiras, podem valer até R$ 4.000. Os chamados “caçadores de relíquias” disputam as cédulas consideradas raras em sites da internet e fazem o seu valor original aumentar mais de mil vezes.

Fatores como erros de impressão, fabricação em outros países ou pequena quantidade em circulação fizeram com que algumas moedas se tornassem raras e atraíssem o interesse de colecionadores. Cédulas de real que apresentavam algum tipo de defeito da Casa da Moeda acabavam sendo descartadas, e, em seu lugar, eram impressas outras para reposição, com asterisco em frente ao número de série.

Esse tipo de detalhe virou objeto do desejo de colecionadores, que criaram um mercado para esses papéis, que muita gente deixou de usar por causa da praticidade dos cartões e, mais recentemente, do Pix. 

Veja as notas que são consideradas raras e valem mais

Nota com corte de impressão passa a ser rara e vale até R$ 300

• Nota de R$ 5
As cédulas com corte errado podem valer até R$ 300, segundo especialistas.

Asterisco em frente ao número de série

• Nota de 10
As cédulas com um asterisco em frente ao número de série podem valer até R$ 4.000.

Código de barras no lado esquerdo, no lugar do número de série

• Nota de R$ 50
Algumas cédulas de R$ 50 que foram fabricadas no ano de 1991 pelo Banco Central vieram sem a inscrição “Deus seja louvado“. Outro detalhe é o código de barras no lugar do número de série. A nota pode valer R$ 1.000.

• Notas importadas
Cédulas de R$ 5, R$ 10 e R$ 50 impressas em outros países podem valer até R$ 1.500 no mercado de colecionadores. A identificação dessas notas possui letra “B” no fim do número de série.

• Nota de R$ 1
A cédula não está mais em circulação desde o ano de 2005, mas há exemplares dela que podem ser vendidos por até R$ 200. A nota de 1 real de 1996, por exemplo, que foi assinada pelos economistas Pedro Malan e Gustavo Loyola, que participaram da criação do real, pode valer R$ 195 no mercado dos colecionadores.