Nibiru, o “exoplaneta” realmente existe?

Nibiru, o “exoplaneta” realmente existe?

6 de outubro de 2022 0 Por Jonas Estefanski
Compartilhar:

Com a Hipótese do Astronauta Antigo, estamos familiarizados com a suposta existência de um planeta de onde vieram os Anunnaki, os criadores da raça humana.
Neste artigo compreenderemos um pouco sobre essa teoria, já que Nibiru e a Teoria do Antigo Astronauta andam de mãos dadas.

Nibiru e os antigos astronautas

A primeira aparição de Nibiru na história está nas tabuletas da Biblioteca de Assurbanipal.

A famosa biblioteca é composta por aproximadamente 22.000 tábuas de barro que foram encontradas nas ruínas do Palácio de Nínive, ao contrário da crença popular, as tábuas não foram criadas pelos babilônios, mas sim pelos assírios, estes são anteriores e foram conquistados pelos babilônios.

A Biblioteca de Nínive, também conhecida como Biblioteca de Assurbanípal, é uma coleção de milhares de placas em argila contendo textos em escrita cuneiforme sobre vários assuntos.
A Biblioteca de Nínive, também conhecida como Biblioteca de Assurbanípal, é uma coleção de milhares de placas em argila contendo textos em escrita cuneiforme sobre vários assuntos.

Nessas tabuinhas são encontradas uma biblioteca, pois representam um conjunto organizado de escritos (em cuneiforme), de forma sistemática. Várias versões (em assírio e acadiano) do poema de Gilgamesh estão incluídas, gramática, dicionários, listas oficiais de cidades, tratados de matemática e astronomia, livros de magia, religião, ciência, arte, história e literatura.

Outros tablets são considerados como um sistema de tradução do acadiano para o assírio, questões de astronomia, astrologia e até simples listas de compras de produtos diários.

Como os assírios foram derrotados e dominados pelos babilônios, supõe-se que o Palácio Real de Nínive, além dessas tabuinhas, continha rolos de couro, papiros, rolos de cera, todos perdidos até hoje.

Marduque ou Merodaque foi retratado como o próprio Rei dos Deuses, envolto em mantos reais, cujos campos de especialização iam da justiça, cura à agricultura e magia.
Marduque ou Merodaque foi retratado como o próprio Rei dos Deuses, envolto em mantos reais, cujos campos de especialização iam da justiça, cura à agricultura e magia.

Nessas tábuas, como foi dito, de propriedade dos assírios, mas adotadas pelos babilônios, Nibiru é nomeado como uma representação do deus Marduque, Nibiru significa lugar que atravessa ou lugar de transição.

De acordo com as traduções, Nibiru é identificado com Júpiter, em outras ocasiões (na famosa tabuinha, Enûma Elish) é identificado com a estrela do norte.

Outras interpretações

Nibiru, sem dúvida, gera expectativas sobre sua existência. Uma das interpretações mais conhecidas é a de Zecharia Sitchin, que traduziu as tábuas, aprendendo o antigo sumério para traduzi-lo em primeira mão.

Mas a verdade é que Sitchin nunca aprendeu sumério, mas em vez disso pegou traduções anteriores (principalmente de Creswicke Rawlinson e Leonard William King) e as modificou para seus livros.

O Enûma Eliš é o mito de criação babilônico.
O Enûma Eliš é o mito de criação babilônico.

Além disso, muitas vezes nem mesmo utilizava os dicionários criados pelos primeiros assiriólogos, alterando os significados conforme sua conveniência. Por exemplo, Sitchin mantém em seus livros que os Anunnaki vieram à Terra em busca de ouro, e nenhuma tabuleta revela isso.

Segundo Sitchin, os Anunnaki vieram à Terra há 445.000 anos em busca de ouro, elemento essencial para reparar a atmosfera de seu planeta, então, incapazes de extrair o metal precioso, eles criaram o homo sapiens por meio da engenharia genética.

Esta é, em termos gerais, a resposta à questão do porquê, embora nada esteja mais longe da realidade, acontece que, com base nas traduções, Sitchin distorce a verdade.

Primeiro, nas tábuas, o ouro não é apontado como o gatilho para a criação dos humanos. Em segundo lugar, a realidade é que os Anunnaki não precisam de ouro terreno.

O grande asteroide Psyche 16

Há algum tempo, veio à tona a notícia de que um grupo de cientistas encontrou um grande asteroide chamado Psyche 16, composto principalmente de ouro e outros metais pesados, com um valor nominal de 700 quintilhões de dólares, isso tornaria praticamente todo ser humano na Terra um milionário.

O asteroide 16 Psyche, descoberto em 1852 pelo astrônomo italiano Annibale de Gasparis, está repleto de metais preciosos e pode valer mais de US$ 10 quintilhões (R$ 52,3 quintilhões), confirmam novas medições de temperatura feitas em sua superfície.
O asteroide 16 Psyche, descoberto em 1852 pelo astrônomo italiano Annibale de Gasparis, está repleto de metais preciosos e pode valer mais de US$ 10 quintilhões (R$ 52,3 quintilhões), confirmam novas medições de temperatura feitas em sua superfície.

Além disso, isso é uma mentira, porque se esse asteroide fosse trazido para a Terra, o valor do ouro cairia e custaria menos de um quilo de nada, literalmente.

Por quê?

Porque o valor do ouro e de outros produtos como diamantes, prata, etc., baseia-se quase inteiramente na sua escassez.

Custa muito, porque há pouco (no caso do ouro, também pelo grande número de usos em tecnologia, porque não se degrada), então, com tantas toneladas de ouro, perderia valor. Matemática e economia simples.

Portanto, trazer esse asteroide ou minerá-lo é quase inviável, portanto seria é mais uma questão anedótica do que uma necessidade.

Uma das Tábuas de Assurbanipal, das 22.000 encontradas no Palácio Real de Nínive.
Uma das Tábuas de Assurbanipal, das 22.000 encontradas no Palácio Real de Nínive.
Se os Anunnaki precisavam de ouro, por que vir, criar o humano, colocá-lo para trabalhar?
Por que não usar sua tecnologia para minerar a Terra sem perder tempo “criando pessoas”?
Ou por que apenas procurar uma ” Psique 16 ” e levar para o seu planeta e pronto?

Então, é assim, Sitchin tornou-se uma espécie de charlatão que escreveu muitos livros, mas devemos agradecer a ele, graças a isso, muitos dos teóricos dos Antigos Astronautas, podemos ter novas teorias, mais válidas, mais certas e mais prováveis.

Quando o ser humano evoluiu, ele quis saber a “verdade” das coisas, assim nasceram as ciências; através da curiosidade. Para entender seu ambiente primeiro, e depois o universo.

Nibiru Complex
Nibiru Complex

É por isso que o ser humano, em menos de 5.000 anos, deixou de ser um simples coletor/caçador, para a fissão nuclear, e em menos de 60, desde inventar a locomotiva até pisar na lua.

Entendemos que os Extraterrestres (Anunnaki, neste caso) são uma raça avançada em todos os níveis (ciências, principalmente) e por isso, além de já conhecer seu planeta e ambiente (seu sistema planetário e sua galáxia, mínimo) decidiu sair e descobrir o cosmos.

Por acaso ou porque investigaram antes, encontram um mundo com boa atmosfera, água potável, flora, fauna, mas sem uma civilização avançada. Esse é o ponto.

Por que não preservar sua própria espécie criando, através da inseminação dos hominídeos mais avançados da região, uma nova espécie?

Apenas isso. Crie vida.

Mais tarde, os assírios, babilônios, acadianos, etc., contaram a história da maneira como a entenderam. E nós, que não sabemos nada porque estamos a 5.000 anos disso, só podemos supor que as traduções estão corretas e tomamos o que lemos literalmente, acreditamos que eles vieram por ouro, nada mais longe da realidade.

Quando os Anunnaki criaram a humanidade.
Quando os Anunnaki criaram a humanidade o homem era uma espécie híbrida e quando eles viram que precisariam de mais mão de obra, eles manipularam sua cria e fizeram com que os humanos pudessem procriar.
Então a resposta para a pergunta é:

Não, eles não vieram pelo ouro. Eles não precisavam disso. Talvez estejamos longe de saber por que eles precisavam de ouro (se realmente precisavam) e que efeito isso teria em sua atmosfera, mas a verdade é que é quase certo que eles não vieram buscar nosso ouro.

Mas além disso, este artigo tenta provar ou refutar a existência de um planeta massivo, com uma órbita gigantesca.

Nosso planeta, a Terra, tem uma órbita mensurável, constante e previsível. Um ano para dar a volta completa ao sol, tem uma forma elíptica, que dá inverno e verão… Não vamos entrar em detalhes de algo que é de conhecimento público.

O que precisamos compreender é que cada planeta no sistema solar tem uma órbita mensurável e previsível e nós sabemos muito sobre os planetas, temperatura, condições… e Nibiru deveria ser um planeta em nosso sistema solar com uma órbita gigantesca: entre 3.600 e 4.500 anos terrestres.

Esta seria a órbita relativa de Nibiru, segundo a tradição suméria.
Esta seria a órbita relativa de Nibiru, segundo a tradição suméria.

Isso seria terrível para o planeta, já que, por muitos desses milhares de anos, o planeta estaria na sombra mais profunda com um clima frígido quase impossível de medir (quase chegando ao zero absoluto, próximo a -273,15°C).

Imagine isso: um planeta com uma civilização avançada, mas em um planeta extremo, pois na maior parte do seu “ano”, ele fica na maior escuridão possível, com um frio terrível, ao se aproximar do seu sol (nosso sol) fica mais quente, mas isso acontece por um tempo muito curto.

Como pode ser que qualquer tipo de vida possa prosperar em um planeta tão extremo?
E como esse tipo de vida poderia prosperar o suficiente para poder se mover no universo?

Os tardígrados são pequenos “animais” que vivem principalmente na Terra, principalmente em fungos, líquens ou samambaias, embora também possam ser encontrados nos oceanos ou na água doce.

Tardígrado, um extremófilo (ser que pode viver em condições extremas).
Tardígrado, um extremófilo (ser que pode viver em condições extremas).




Na verdade, não há lugar onde eles vivem. Eles medem entre 0,05 mm e 0,5 mm. São de forma oval, alimentam-se sugando líquidos animais ou vegetais e podem entrar no que é conhecido como criptobiose, (ou seja, metabolismo reduzido).

Os tardígrados podem ficar desidratados (de 85% da água corporal a 3%) durante a desidratação, o crescimento, a reprodução e outras funções corporais são reduzidas a praticamente zero e podem permanecer nesse estado por até 4 anos.

Além disso, em 2016, no National Polar Research Institute, conseguiram reviver espécimes de 30 anos. Essa condição os torna resistentes à radiação, poluição, frio extremo (alguns espécimes resistiram ao zero absoluto) e sobreviveram à imersão em álcool e éter.

E não apenas isso:

Cientistas russos afirmam ter encontrado tardígrados no convés de foguetes recém-chegados do espaço, o que levou a outra análise: levar tardígrados para o espaço sideral.

A cápsula de reentrada da espaçonave Foton-M3
A cápsula de reentrada da espaçonave Foton-M3.

Eles foram colocados na sonda espacial Foton M3 e não apenas sobreviveram, mas permaneceram reprodutivamente capazes. Sabe-se também através deste trabalho que eles podem resistir 100 vezes mais à radiação do que o ser humano…




Esses pequenos “Ursinhos Aquáticos” seriam o exemplo perfeito de Anunnaki?

Se os Tardígrados sobreviverem a todos os itens acima, isso significaria, em teoria, que os Anunnaki têm uma chance de existir. Os tardígrados suportam quase zero absoluto, condições extremas de pressão, poluição, radiação… algo que os Anunnaki também precisariam em Nibiru.

Nós, seres humanos, nascemos neste planeta. E, no entanto, há muitas coisas em nosso corpo que são atacadas por nossa Terra e nosso sol:

O sol nos queima no verão, pode até nos causar câncer; nosso sistema não pode lidar com carne crua ou água não potável (enquanto vemos que outros animais bebem água de qualquer lugar, até mesmo nossos cães, e eles não são afetados por essas bactérias que nos matariam), nossos corpos doem quando dormimos o chão, a gente fica quente/frio, a gente tem mil alergias…

Nosso mundo nos ataca como se fôssemos um vírus. E nós somos, supostamente.

É como se nosso planeta nos odiasse, os Anunnaki, como nós, seriam seriamente atacados pelo nosso sol, nosso ar, nossa água… pois seus corpos e sistemas estariam preparados como os tardígrados, para as condições extremas de Nibiru.

Nibiru é um planeta desconhecido marrom, sua translação através do nosso sistema solar é a cada 3.600 anos.
Nibiru é um planeta desconhecido marrom, sua translação através do nosso sistema solar é a cada 3.600 anos. Nibiru é dito ter várias luas ao redor e arrasta uma longa cauda de detritos e materiais de rocha.

Algo mais. Talvez o fato de Nibiru ter climas e condições tão extremas, devido à sua órbita gigantesca, também tenha diferentes condições de ar, líquidos, radiação, etc., além, é claro, de escuridão extrema e frio extremo.

Então os Anunnaki deveriam ser extremófilos (tardígrados são extremófilos, esse é o nome técnico por causa da resistência às condições extremas a que foram submetidos) o que não seria uma teoria ruim, embora os únicos extremófilos que conhecemos hoje, para hoje, são os tardígrados.




Portanto, pensar nos Anunnaki como extremófilos não é uma teoria tão absurda, embora seja muito, muito remota. Se a nossa realidade é a única realidade, não sabemos. Mas é o único que temos. Os cientistas estão certos de que sem água não há vida.

Imagem de um grande objeto que passou próximo ao sol.(muitos acreditam que seja o planeta Nibiru)
Imagem de um grande objeto que passou próximo ao sol.(muitos acreditam que seja o planeta Nibiru)
Será assim?

Os cientistas acreditam que a única vida viável hoje é baseada em carbono.

Será assim?

Existe a possibilidade, embora os cientistas não vejam dessa forma, que exista vida baseada em um elemento que não seja o carbono e que essa mistura de oxigênio e hidrogênio chamada água não seja a única que sustenta a vida.

Nossa realidade é, neste momento, a única que conhecemos. Mas pode não ser o único e os Anunnaki serem de “outra dessas realidades”!

Colagem de várias imagens que mostram dupla exposição, saturação de brilho e outros defeitos nas imagens, e até mesmo modificações no computador, o que faz alguns acreditarem que o que se vê é Nibiru.
Colagem de várias imagens que mostram dupla exposição do sol, gerando todo tipo de especulação: Saturação de brilho e outros defeitos nas imagens, o que faz alguns acreditarem que o que se vê é Nibiru.




Se permanecermos em nossa realidade, então Nibiru não existe. Nibiru talvez não seja aquele planeta errante de que todo mundo fala.

E muito menos, que está chegando. O número de teorias sobre a NASA esconder a chegada de Nibiru é quase infinito. Os artigos escritos em portais e páginas da web “sérias” somam centenas.

E é inviável que um planeta esteja se aproximando tanto da Terra, que não possa ser visto a olho nu e que não cause marés, terremotos, etc. Então o que é certo é que Nibiru não está se aproximando da Terra.

O que não podemos provar é que não existe. Talvez seja como diz o escritor Samuel García Barrajón:

“Se Nibiru não existe, teremos que inventá-lo”.

Deixe sua opinião nos Comentários!
E compartilhe com seus amigos…