Nasa encontra matéria orgânica que indica vida em Marte

Nasa encontra matéria orgânica que indica vida em Marte

17 de setembro de 2022 0 Por Jonas Estefanski
Compartilhar:

Rover Perseverance coletou algumas das amostras após investigações no antigo delta de um rio

Investigando o local de um antigo delta de rio, o rover Perseverance coletou algumas das amostras mais importantes até agora em sua missão para determinar se já existiu vida em Marte, de acordo com cientistas da Nasa.

Algumas das amostras coletadas recentemente incluem matéria orgânica, indicando que a Cratera Jezero, que provavelmente já abrigou um lago e o delta que desaguava nele, tinha ambientes potencialmente habitáveis ​​há 3,5 bilhões de anos.

“As rochas que estamos investigando no delta têm a maior concentração de matéria orgânica que já encontramos na missão”, disse Ken Farley, cientista do projeto Perseverance do Instituto de Tecnologia da Califórnia, em Pasadena.

A missão do rover, que começou no planeta vermelho há 18 meses, inclui procurar sinais de vida microbiana antiga. A Perseverance está coletando amostras de rochas que poderiam ter preservado essas bioassinaturas reveladoras. Atualmente, há 12 amostras de rochas.

Uma série de missões chamada Mars Sample Return levará a coleção de volta à Terra na década de 2030.

Cavando no delta

Área de escavações realizadas pelo Perseverance chamada de “Wildcat Ridge” / Divulgação/Nasa

O local do delta torna a Cratera Jezero, que se estende por 45 quilômetros, de interesse particularmente alto para os cientistas da Nasa. A característica geológica em forma de leque, uma vez presente onde um rio convergia com um lago, preserva camadas da história marciana em rochas sedimentares, que se formaram quando partículas se fundiram neste ambiente anteriormente cheio de água.

O rover investigou o fundo da cratera e encontrou evidências de rochas ígneas ou vulcânicas. Durante sua segunda campanha para estudar o delta nos últimos cinco meses, a Perseverance encontrou ricas camadas de rochas sedimentares que acrescentam mais à história do antigo clima e ambiente de Marte.

“O delta, com suas diversas rochas sedimentares, contrasta lindamente com as rochas ígneas – formadas a partir da cristalização de magma – descobertas no fundo da cratera”, explica Farley.

“Esta justaposição nos fornece uma rica compreensão da história geológica após a formação da cratera e um conjunto diversificado de amostras. Por exemplo, encontramos um arenito que carrega grãos e fragmentos de rocha criados longe da Cratera Jezero.”

A equipe da missão apelidou uma das rochas que Perseverance amostrou como Wildcat Ridge. A rocha provavelmente se formou quando lama e areia se estabeleceram em um lago de água salgada quando evaporou bilhões de anos atrás. O rover raspou a superfície da rocha e a analisou com um instrumento conhecido como Scanning Habitable Environments with Raman & Luminescence for Organics & Chemicals, ou SHERLOC.

Este laser de rock-zapping funciona como uma luz negra sofisticada para descobrir produtos químicos, minerais e matéria orgânica, disse Sunanda Sharma, cientista no Laboratório de Propulsão a Jato da Nasa em Pasadena.

A análise do instrumento revelou que os minerais orgânicos são provavelmente aromáticos, ou moléculas estáveis ​​de carbono e hidrogênio, que estão ligadas aos sulfatos. Minerais de sulfato, muitas vezes encontrados entre as camadas de rochas sedimentares, preservam informações sobre os ambientes aquáticos em que se formaram.

Moléculas orgânicas são de interesse em Marte porque representam os blocos de construção da vida, como carbono, hidrogênio e oxigênio, bem como nitrogênio, fósforo e enxofre. Nem todas as moléculas orgânicas precisam de vida para se formar porque algumas podem ser criadas por meio de processos químicos.

“Embora a detecção dessa classe de orgânicos por si só não signifique que a vida estava definitivamente lá, esse conjunto de observações começa a se parecer com algumas coisas que vimos aqui na Terra”, revelou Sharma.

“Para simplificar, se esta é uma caça ao tesouro para possíveis sinais de vida em outro planeta, a matéria orgânica é uma pista. E estamos obtendo pistas cada vez mais fortes à medida que avançamos em nossa campanha delta.”

O Perseverance, assim como o rover Curiosity, já encontrou matéria orgânica antes em Marte. Mas desta vez, a detecção ocorreu em uma área onde a vida pode ter existido.

“No passado distante, a areia, lama e sais que agora compõem a amostra Wildcat Ridge foram depositados em condições onde a vida poderia ter prosperado”, disse Farley.

“O fato de a matéria orgânica ter sido encontrada em tal rocha sedimentar – conhecida por preservar fósseis de vida antiga aqui na Terra – é importante. No entanto, por mais capazes que sejam nossos instrumentos a bordo do Perseverance, mais conclusões sobre o que está contido terá que esperar até que seja devolvida à Terra para um estudo aprofundado como parte da campanha Mars Sample Return da agência.”

Devolvendo amostras à Terra

As amostras coletadas até agora representam uma diversidade tão grande de áreas dentro da cratera e delta que a equipe do  Perseverance está interessada em depositar alguns dos tubos de coleta em um local designado em Marte em cerca de dois meses, disse Farley.

Assim que o rover deixar as amostras neste depósito, ele continuará explorando o delta.

Missões futuras podem coletar essas amostras e devolvê-las à Terra para análise usando alguns dos instrumentos mais sensíveis e avançados do planeta. É improvável que Perseverance encontre evidências indiscutíveis de vida em Marte porque o ônus da prova para estabelecê-la em outro planeta é muito alto, disse Farley.

“Estudei a habitabilidade e geologia marcianas durante grande parte da minha carreira e sei em primeira mão o incrível valor científico de devolver um conjunto cuidadosamente coletado de rochas de Marte à Terra”, informou Laurie Leshin, diretora do Laboratório de Propulsão a Jato da Nasa, em um comunicado.

Fonte: CNN