MÚMIA DE CRIANÇA QUE MORREU POR NÃO TOMAR SOL É IDENTIFICADA NA ALEMANHA

MÚMIA DE CRIANÇA QUE MORREU POR NÃO TOMAR SOL É IDENTIFICADA NA ALEMANHA

7 de novembro de 2022 0 Por Jonas Estefanski
Compartilhar:

Criança do século 17 pode ter sofrido com raquitismo e pertencia a família aristocrática

Na Alemanha, pesquisadores identificaram uma múmia, por meio de uma autópsia virtual, que pertencia a uma família aristocrática austríaca do século 17. O corpo supostamente era de um menino, que faleceu com cerca de um ano de idade, e passou por um processo de mumificação natural ao longo dos anos, como descrito em estudo publicado na Frontiers in Medicine na última quarta-feira, 26.

O corpo, por sua vez, era o único não identificado na cripta em que foi descoberto, estando enterrado em um caixão de madeira, enquanto os outros membros da família estavam em caixões de metal.

O tecido mole preservado foi o que possibilitou a identificação do sexo da criança, e determinar que ele estava acima do peso para sua idade, o que indica que era bem alimentado.

Apesar disso, a análise dos ossos indicou que, por algum motivo, o menino estava desnutrido. Suas costelas tinham um tipo de malformação no padrão rosário raquítico, o que pode ser observado em casos graves de raquitismo — doença provocada pela falta de vitamina D ou cálcio, que enfraquece a estrutura óssea do indivíduo — ou escorbuto.

Reconstrução digital do esqueleto do menino
Reconstrução digital do esqueleto do menino / Crédito: Divulgação/Andreas G. Nerlich et.al

Com isso, pesquisadores concluíram que possivelmente o menino desenvolveu as malformações por não tomar sol. Como foi membro da aristocracia, ele era bem alimentado, mas os nobres da época valorizavam tons de pele mais pálidos e claros, por indicar certo status social — se pensava, na época, que pessoas de pele mais clara eram mais ricas por não precisarem trabalhar no sol.

A combinação da obesidade com uma deficiência severa de vitaminas só pode ser explicada por um estado nutricional geralmente ‘bom’ , juntamente com uma quase completa falta de exposição à luz solar”, explica o principal autor do estudo, Andreas Nerlich, em comunicado.

Fotografia de corpo completo de múmia de menino aristocrata de um ano
Fotografia de corpo completo de múmia de menino aristocrata de um ano / Crédito: Divulgação/Andreas G. Nerlich et.al

Descoberta

A cripta em que o garoto foi encontrado era reservada exclusivamente aos condes de Starhemberg, que enterravam ali principalmente os filhos primogênitos e suas esposas. Visto isso, possivelmente o nome da criança era Reichard Wilhelm, que teria sido enterrado ao lado do avô, que tinha o mesmo nome, Reichard von Starhemberg.

Uma datação por radiocarbono de uma pequena amostra de pele do menino indicou que ele foi colocado na cripta entre os anos de 1550 e 1635. Além disso, ele também foi enterrado com um casaco longo e um capuz de seda cara, como informado pela Revista Galileu.

Não temos dados sobre o destino de outras crianças da família”, disse o autor do estudo. “De acordo com nossos dados, o bebê era provavelmente o primogênito [do conde] após a construção da cripta da família, então cuidados especiais podem ter sido aplicados.”