Múmia de 2.600 Anos Encontrada Com Evidência de Procedimento Cirúrgico Avançado

Múmia de 2.600 Anos Encontrada Com Evidência de Procedimento Cirúrgico Avançado

17 de agosto de 2022 0 Por Jonas Estefanski
Compartilhar:

Algumas descobertas arqueológicas continuam a mostrar que nossa atitude em relação às civilizações antigas é arrogante e errada. Costumamos supor que pessoas pertencentes a culturas tão distantes no tempo tinham a capacidade de agir e pensar de maneiras surpreendentes. 

Mas a história se encarregou de nos dizer o contrário. Desta vez, através de uma múmia de 2.600 anos atrás , em cujo corpo foram encontradas evidências , demonstrando a realização de um procedimento cirúrgico avançado . Testes científicos comprovam a veracidade e eficácia da técnica utilizada na época. 

A Múmia de 2.600 Anos é de Origem Desconhecida 

Tudo começou em 1971, quando o Museu Egípcio Rosacruz na Califórnia recebeu um sarcófago egípcio antigo completamente selado , sem saber que havia uma múmia muito bem preservada dentro. Após a descoberta, iniciaram-se as respectivas investigações forenses, de forma a conhecer a sua origem. 

As análises do embalsamamento revelaram que o corpo da múmia correspondia ao de um homem egípcio , com aproximadamente 1,50 metro de altura. Também se sabia que ele pertencia à classe social alta e possivelmente viveu entre os séculos XVI e XI aC, em um período conhecido como Império Novo . 

De acordo com a investigação, a múmia que estava no caixão não era seu dono original, mas sim de outra pessoa. De acordo com as informações fornecidas pelos especialistas o dono do antigo sarcófago era um sacerdote chamado Usermontu. Até agora a razão para a mudança de corpos mumificados é desconhecida. 

Uma descoberta surpreendente causou um rebuliço! 

Depois de duas décadas no museu, exatamente em 1995, a múmia de ” Usermontu ” virou notícia de primeira página. Em agosto daquele mesmo ano, C. Wilfred Griggs , professor da Universidade Brigham Young em Utah, acompanhado por um grupo de especialistas, tirou algumas radiografias. 

Raios-X deveriam ser tirados de 6 múmias no museu, incluindo “Usermontu” , por ocasião de um discurso que seria exposto ao público. Os resultados trouxeram à tona uma descoberta surpreendente tanto que causaria um rebuliço em todo o Mundo. 

Todos os presentes ficaram chocados ao ver que «Usermontu» tinha uma barra de metal de 22 centímetros embutida no joelho esquerdo. Era um método ortopédico que é uma prática comum hoje, mas fazê-lo há 2.600 anos é simplesmente impressionante. 

Restos mumificados de Usermontu no Museu Rosacruz de San José e a barra de metal encontrada em seu joelho. Crédito: Wikimedia Commons/Brigham Young University. 

Na opinião de especialistas, a técnica cirúrgica utilizada na múmia foi baseada em princípios ortopédicos “extremamente avançados” . A tal ponto que, no início, foi difícil para os cientistas estabelecer a diferença com os procedimentos que são feitos hoje. 

As primeiras impressões dos especialistas 

Sobre a primeira impressão desse achado inesperado, o professor Wilfred Griggs mencionou que achava que era um implante moderno. Ele compartilhou sua opinião com a equipe e eles presumiram que alguém havia colocado a barra na perna da múmia para mantê-la na posição vertical. 

Da esquerda para a direita: Professor da BYU C. Wilfred Griggs; Drs. Bruce Mcliff e Richard Jackson do Condado de Utah, e Dr. Grady Jeeter de San Jose, Califórnia. Especialistas que examinaram a múmia em que uma haste de metal foi descoberta implantada no joelho. Cortesia: Museu Egípcio Rosacruz. 

Representantes da Universidade Brigham Young concordaram em buscar uma fonte científica para ajudá-los a determinar a idade da barra de metal. Em pouco tempo descobriram a verdade daquele procedimento cirúrgico realizado em uma múmia há 2.600 anos. 

O Mistério Está Esclarecido! 

Depois de alguns dias uma equipe de cientistas foi formada com alguns especialistas em medicina ortopédica e radiologia para estudar a múmia em detalhes. Juntamente com muito cuidado, eles moveram o osso para o Centro Médico Regional de Utah Valley. 

Concluídos os exaustivos testes rigorosos o grupo de pesquisadores revelou os resultados. Eles encontraram resíduo de um antigo acrílico orgânico um composto muito semelhante ao cimento ósseo usado pelos cirurgiões hoje. 

Além disso havia vestígios de pano velho e graxa que ainda estavam firmes no lugar. Mais interessante o design da barra é semelhante ao que é usado atualmente para estabilizar ossos quebrados. 

Da mesma forma, a habilidade aplicada na técnica para fabricar a barra e implantá-la no joelho revela conhecimentos médicos avançados para uma civilização que existia há 2.600 anos. 

Cirurgia Após a Morte 

Raios-X mostrando a barra de metal de 22 centímetros no joelho de Usermontu. Crédito: Universidade Brigham Young. 

A próxima questão que a equipe enfrentou foi estabelecer se a cirurgia foi feita antes ou depois da morte. A análise mostrou que Usermontu estava morto quando a barra de metal foi implantada que foi colocada em sua perna entre o momento da morte e o enterro. 

Por que eles fariam algo assim? Os antigos egípcios acreditavam na ressurreição estavam convencidos de que o corpo era o meio para chegar ao outro mundo. Portanto deve estar em boas condições para a jornada para a vida após a morte . 

Além desse procedimento incrível é possível que a história em breve revele outros, ainda mais surpreendentes . É por isso que não devemos subestimar as civilizações antigas com seu conhecimento e inteligência avançada. Fonte