Múmia de 1.500 anos de idade com tênis da ”Adidas” pode ser o primeiro registro de viajantes do tempo na história

Múmia de 1.500 anos de idade com tênis da ”Adidas” pode ser o primeiro registro de viajantes do tempo na história

17 de abril de 2019 0 Por Jonas Estefanski
Compartilhar:
Arqueólogos na Mongólia mostraram as primeirasfotos de uma múmia encontrada nas Montanhas Altai. Mas uma imagem em particular está causando uma agitação on-line depois que a múmia de 1.500 anos de idade foi vista vestindo o que parece ser botas “Adidas”. Os comentaristas no Twitter e noFacebook afirmam que as mulheres deveriam ser viajantes do tempo.A MULHER FOI ESTUDADA POR EXPERTS DO MUSEU
Parece que o primeiro enterro turco completo na Ásia Central foi encontrado a uma altitude de 9.200 pés (2.803 metros). No início desta semana, o pesquisador B.Sukhbaatar do Museu disse: “Nós acreditamos que era uma mulher, porque não há arco no túmulo.”Agora estamos desenvolvendo cuidadosamente o corpo, e assim que isso for concluído, os especialistas poderão dizer com mais precisão sobre o gênero”. Um grande número de posses foram encontrados no túmulo, oferecendo uma visão única da vida na Mongólia em torno do século VI dC. Estes incluíram uma sela, um freio, um vaso de argila, uma tigela de madeira, uma calha, uma chaleira de ferro, os restos de um cavalo inteiro e roupas velhas. Havia também travesseiros, uma cabeça de ovelha e um saco de viagem de feltro em que estavam colocadas as costas de uma ovelha, ossos de cabra e uma pequena bolsa de couro projetada para levar uma xícara. A vila de Turkic ocupou uma região da Ásia Central para a Sibéria a partir do século VI aC. A primeira menção dos turcos foi em um texto chinês que se referia às tribos turcas e Sogdianas ao longo da Estrada da Seda.
Os cientistas só encontraram partes de um corpo, mãos e pés sepultados em uma cova. Os pés parecem estar calçando um par de tênis com as famosas três riscas da marca alemã.
Agora que as imagens feitas pelo Museu Khovd viralizaram, especula-se que esta seja uma possível prova de viagem no tempo.
Os especialistas, no entanto, ainda não têm muitos detalhes sobre a descoberta.
“Agora estamos desembrulhando cuidadosamente o corpo e, quando terminarmos, os especialistas serão capazes de dizer mais precisamente sobre o gênero da múmia”, disse B. Sukhbaatar, diretor do Museu Khovd, ao jornal Siberian Times.
Equipe do Museu Khovd com os artefatos
Equipe do Museu Khovd com os artefatos Foto: Museu Khovd / The Siberian Times