Misterioso relâmpago é visto indo em direção ao espaço

Misterioso relâmpago é visto indo em direção ao espaço

31 de agosto de 2022 0 Por ucrhyan
Compartilhar:

Relâmpagos de tempestades não atingem apenas o solo. Às vezes ee sobe, formando um tipo raramente visto de descarga elétrica conhecido como “jato gigantesco” que conecta o topo das nuvens à borda inferior do espaço. As observações de um único desses jatos desafiaram algumas expectativas sobre esse fenômeno, mas também forneceram uma melhor compreensão de como esses eventos luminosos transitórios (TLEs) se formam.

Conforme relatado no Science Advances, a equipe conseguiu estudar um desses jatos com base em uma combinação de dados de satélite, ondas de rádio e radar. Mas o ponto de partida da investigação foi uma fotografia tirada por um cientista em Oklahoma, EUA.

“Kevin Palivec [o fotógrafo] tem uma câmera de longa exposição no centro do Texas que ele às vezes opera aleatoriamente, e ele capturou isso alguns anos atrás”, disse o autor principal Levi Boggs, do Georgia Tech Research Institute, ao The Washinton Post.

O jato partiu de uma área no topo da nuvem que media cerca de 50 por 50 quilômetros a cerca de 15 a 20 quilômetros de altitude. Ele então disparou para cima, atingindo a ionosfera, a porção da atmosfera do nosso planeta que se estende de cerca de 48 quilômetros acima da superfície até a borda do espaço a cerca de 965 km.

O evento transferiu uma enorme quantidade de carga entre a nuvem e a ionosfera. Os raios regulares têm um alcance muito amplo, mas o jato gigantesco em Oklahoma oferece três vezes o máximo que você obtém dos raios comuns.

Este jato enorme também foi peculiar porque aconteceu em uma tempestade sobre a terra e não sobre o mar, onde são muito mais comuns. Mas isso pode sugerir por que eles se formam.

A tempestade parecia carecer de relâmpagos caindo para baixo, semelhantes às tempestades sobre o oceano. Isso pode ter levado a um acúmulo de cargas nas nuvens que criaram as condições para jatos gigantescos.

Ainda há muito que não sabemos sobre este e muitos outros fenômenos de raios na atmosfera superior.