Mais um asteroide a caminho! Máxima aproximação será em 27 de abril

Mais um asteroide a caminho! Máxima aproximação será em 27 de abril

14 de abril de 2022 0 Por Jonas Estefanski
Compartilhar:

asteroide 418135 (2008 AG33) realizará sua aproximação máxima com a Terra no dia 27 de abril, às 23h46 (horário de Brasília). Neste dia, a rocha espacial passará pelo nosso planeta à distância de aproximadamente 3,24 milhões de quilômetros, o equivalente a cerca de 3,84 vezes a distância média entre a Terra e a Lua. Não haverá riscos de o asteroide se chocar com o a Terra durante esta aproximação.

Os asteroides são rochas espaciais que orbitam o Sol e têm pequenas dimensões quando comparados aos planetas do Sistema Solar. Descoberto em janeiro de 2008, este asteroide faz parte do subgrupo Apollo, formado por objetos cujas órbitas cruzam as da Terra.

Segundo Filipe Vieira de Melo Monteiro, astrônomo do Observatório Nacional, as estimativas apontam que o objeto tem entre 332 e 741 m de diâmetro, e deverá se aproximar da Terra à velocidade de 10,4 km/s.

Esquema da órbita do asteroide 418135 (2008 AG33) (Imagem: Reprodução/NASA/JPL)

Embora o 418135 (2008 AG33) não ofereça riscos de colisão (nesta ou em futuras aproximações), ele é considerado um asteroide potencialmente perigoso (ou “PHA”, na sigla em inglês). “É importante lembrar que todos os asteroides próximos da Terra (NEA, em inglês) com uma distância mínima de interseção com a órbita da Terra menor do que 0,05 unidades astronômicas e um diâmetro maior do que 150 m, são considerados PHAs”, explicou Monteiro, em um comunicado.

Segundo ele, estes objetos merecem atenção em função do potencial de encontros próximos frequentes com a Terra e outros planetas rochosos. Estas breves visitas e outros efeitos, como aqueles causados pela ação da luz solar, podem causar pequenos desvios nas órbitas dos asteroides — e, embora sejam pequenos, estas mudanças na trajetória deles precisam ser acompanhadas, principalmente quando se trata de objetos que oferecem riscos de atingir a Terra.

Fonte: Observatório Nacional