Júpiter: o único planeta do nosso Sistema Solar que não orbita o Sol

Júpiter: o único planeta do nosso Sistema Solar que não orbita o Sol

20 de abril de 2022 0 Por Jonas Estefanski
Compartilhar:

Júpiter é tão grande que tecnicamente não orbita o sol. Aqui está como.

Júpiter, o quinto planeta do nosso sistema solar a partir do Sol, o enorme gigante gasoso que protege a Terra e os planetas internos de potenciais ataques catastróficos de cometas e asteroides, é muito mais original do que você jamais imaginou.

O gigante gasoso é tão grande que não orbita ao redor do Sol. Júpiter tem 2,5 vezes a massa de TODOS os outros planetas do nosso sistema solar combinados.

Isso significa que é tão assustadoramente grande que o centro de gravidade entre o gigante gasoso e o Sol não reside dentro do Sol, mas em um ponto no espaço, localizado logo acima da superfície do nosso Sol. E há uma explicação perfeitamente racional para isso. Quando um objeto menor orbita um maior, o corpo menor não viaja ao redor do maior em um círculo. Em vez disso, ambos os objetos orbitam um centro de gravidade ‘compartilhado’, o que significa que eles se encontram em algum lugar em um centro perfeito.

Mas Júpiter é especial.

Como o gigante gasoso é tão robusto, seu centro de massa com o Sol fica a exatamente 1,07 raios solares do centro do Sol – 7% do raio do sol sobre a superfície do Sol.

E este GIF (sem escala) da NASA explica o efeito:

https://thumbs.gfycat.com/CloudyApprehensiveElephantseal-mobile.mp4

via Gfycat

O gigante gasoso é tão grande (estimado em aproximadamente 143.000 quilômetros de largura) que poderia devorar todos os planetas conhecidos em nosso sistema solar.

De fato, cerca de 1.300 Terras podem caber dentro do gigante gasoso.

O centro de gravidade do nosso planeta fica tão perto do centro do Sol que esse efeito é insignificante. Como resultado, o objeto maior (o Sol) parece não se mover, enquanto o objeto menor (a Terra) orbita em torno dele.

O mesmo pode ser dito sobre todos os outros planetas do nosso sistema solar, como Mercúrio, Vênus e até Saturno; seus centros de massa com o Sol estão localizados nas profundezas do próprio Sol.