Gene descoberto nas águas do EUA pode ser uma possível ameaça global

Gene descoberto nas águas do EUA pode ser uma possível ameaça global

8 de fevereiro de 2022 0 Por Jonas Estefanski
Compartilhar:

Por Jennifer Reynolds
Publicado na Phys.org

Um gene que faz com que as bactérias sejam resistentes a um dos antibióticos mais importantes do mundo, a colistina, foi detectado em águas de esgoto do estado da Geórgia, nos EUA. A presença do gene MCR-9 é uma grande preocupação para a saúde pública porque causa resistência antimicrobiana, um problema que a Organização Mundial da Saúde declarou como “uma das 10 principais ameaças globais à saúde pública que a humanidade enfrenta”.

Pesquisadores do Centro de Segurança Alimentar (CFS) da Universidade da Geórgia coletaram água de esgoto de um ambiente urbano na Geórgia para testar o gene MCR em bactérias presentes na natureza. Liderada pelo professor assistente da Faculdade de Ciências Agrárias e Ambientais Issmat Kassem, cuja pesquisa se concentra na presença do MCR em todo o mundo, a equipe ficou surpresa com a rapidez com que detectaram o MCR – eles encontraram evidências do gene na primeira amostra que coletaram.

Kassem disse que isso demonstra que o gene está se estabelecendo nos EUA.

A bactéria onde o gene foi encontrado, Morganella morganii, acrescentou mais preocupação para Kassem. Isso marcou a primeira vez que o MCR foi encontrado em M. morganii, o que é problemático porque é uma bactéria pouco testada pelos pesquisadores. Isso significa que o problema pode ser consideravelmente mais generalizado do que se pensava inicialmente.

A disseminação do MCR na agricultura, importações, viagens

Anteriormente, acreditava-se que a agricultura era um fator determinante na disseminação do MCR. Nações como a China e a Índia usam o antibiótico colistina no gado. A colistina é considerada um antibiótico de “último recurso” porque pode tratar infecções que outros antibióticos não podem. Seu uso frequente significa que algumas bactérias estão se tornando resistentes a ele. Isso significa que, se pessoas ou animais contraírem uma cepa de bactérias resistentes à colistina, potencialmente não há medicamentos que possam tratar sua infecção. Os infectados enfrentam medidas de saúde extremas e invasivas e possível morte.

A colistina é proibida nos EUA para uso em animais criados para alimentação e pensava-se anteriormente que essa medida ajudaria a retardar a propagação da resistência antimicrobiana à colistina no país. No entanto, o MCR pode se espalhar por meio de viagens globais e da importação de alimentos de outros países. Os resultados do estudo do CFS provam que os EUA não são menos suscetíveis à ameaça do que outras nações ao redor do mundo.

Para complicar ainda mais a questão é a maneira como o gene é disseminado. Ele transmite em plasmídeos, que são fitas de DNA encontradas dentro das células que podem se replicar por conta própria, independentemente da célula. Um plasmídeo com resistência antimicrobiana encontrado em um tipo de bactéria pode transmitir para outros tipos de bactérias. Isso significa que bactérias como E. coli e Salmonella, que comumente causam surtos de doenças em humanos, podem transportar MCR, transformando-as de doenças tratáveis ​​em infecções potencialmente mortais.

Quão preocupados devemos estar com o gene MCR-9?

Kassem disse que, em conjunto, a ameaça global da resistência antimicrobiana, a presença do MCR na Geórgia, que foi encontrado dentro de uma bactéria que muitas vezes é ignorada e que apareceu mesmo sem o uso de colistina na agricultura dos EUA é um problema sério que requer ação imediata por parte de muitos setores, incluindo pesquisa, saúde e o próprio governo, para trabalhar juntos em direção a uma solução.

“Se não resolvermos isso agora, estaremos colocando em risco a medicina humana e animal como a conhecemos e isso pode ter enormes repercussões na saúde e na economia”, disse Kassem. “É um problema perigoso que requer atenção de vários setores para que possamos resolvê-lo adequadamente”.

Devido a essa urgência, os resultados da pesquisa foram publicados em um curto artigo no Journal of Global Antimicrobial Resistance. Foi financiado através de uma doação do CFS e os outros pesquisadores envolvidos foram Jouman Hassan, David Mann, Shaoting Li e Xiangyu Deng.