Fósseis de nova espécie extinta de vespa são descobertos no Nordeste brasileiro

Fósseis de nova espécie extinta de vespa são descobertos no Nordeste brasileiro

26 de maio de 2022 0 Por Jonas Estefanski
Compartilhar:

[Imagem de capa: fósseis do holótipo (A) e parátipo (B) de Exallopterus spectabilis. Fotos por Rosa e colaboradores.]

Crabonidea é uma família de vespas predadoras que, atualmente, abarca cerca de 9100 espécies distribuídas globalmente, mas também contém várias espécies extintas encontradas apenas no registro fóssil. Uma nova pesquisa de cientistas brasileiros, publicada em 11/05, revela uma nova espécie extinta de vespa dessa família, vinda diretamente do Nordeste brasileiro.

A nova descoberta revela dois fósseis de vespas extintas de 7 a 8 mm de comprimento que habitaram a Formação Crato, na região de Nova Olinda, Ceará, entre 122 e 112 milhões de anos atrás, durante a idade Aptiana do período Cretáceo. A nova espécie foi chamada de Exallopterus spectabilis, O nome genérico, Exallopterus, é uma junção de palavras gregas e significa “asas bem diferentes”, enquanto o epíteto específico, spectabilis, significa algo como “visível” ou “notável”.

Este é o primeiro registro fóssil de vespas crabonídeas da Formação Crato, e são uma das mais antigas do mundo de sua linhagem. Até agora, os fósseis mais antigos de vespas dessa família vinham de peças de âmbar de Myanmar, datando da idade Cenomaniana do período Cretáceo, entre 100 e 93 milhões de anos atrás. A descoberta no Ceará, porém, mostra que essa família é pelo menos 20 milhões de anos mais antiga! Isso dá suporte à pesquisa utilizando relógio molecular que indicava a origem do grupo por volta de 140 milhões de anos atrás, além de indicar uma grande distribuição geográfica desses insetos.

A nova descoberta ajuda a compreender a origem e história biogeográfica das vespas crabonídeas e das abelhas (suas parentes mais próximas), bem como aumentar nosso entendimento sobre sua paleoecologia e a diversidade da Formação Crato.

Fonte: