Físicos encontraram evidências de outro mundo sendo “inserido” em nosso universo, que volta no tempo

Físicos encontraram evidências de outro mundo sendo “inserido” em nosso universo, que volta no tempo

17 de junho de 2022 0 Por Jonas Estefanski
Compartilhar:

Um universo “gêmeo” ou um antiuniverso que volta no tempo poderia explicar a matéria escura e a inflação cósmica?
Essa é nova ideia maluca dos físicos – mas desta vez tem provas experimentais.

Outro mundo é “inserido” em nosso mundo, que é exatamente o mesmo – mas retrocede no tempo.

Lá, todos nós primeiro aparecemos como velhos, e depois nascemos?

Parece inacreditável, mas aparentemente, de alguma forma isso acontece. O problema é que não podemos olhar para lá, pois há uma parede impenetrável entre nós.

O estudo é publicado pela Universidade de Cornell. Pode ser chamado de “muito aguardado”, pois o novo conceito elimina muitos problemas.

A matéria escura e a energia escura não são necessárias, assim como outras dimensões.

Mais importante ainda, o estudo se encaixa perfeitamente nos fatos conhecidos e você pode obter novos para testá-lo – os cientistas apreciam especialmente isso.

Então, quando aconteceu o Big Bang, nasceu nosso universo e ao mesmo tempo outro, seu gêmeo. Eles começaram a se expandir como um no outro.

Apenas um avança no tempo e o outro retrocede…

Preservando a simetria
Os físicos identificaram um conjunto de simetrias fundamentais na natureza.
Físicos Encontraram Evidências De Outro Mundo Sendo “Inserido” Em Nosso Universo, Que Volta No Tempo
Físicos Encontraram Evidências De Outro Mundo Sendo “Inserido” Em Nosso Universo, Que Volta No Tempo

As três simetrias mais importantes são:

Carga (se você alterar as cargas de todas as partículas envolvidas em uma interação para suas cargas opostas, obterá a mesma interação); paridade; e tempo (se você executar uma interação para trás no tempo, ela terá a mesma aparência).

As interações físicas obedecem à maioria dessas simetrias na maioria das vezes, o que significa que às vezes há violações. Mas os físicos nunca observaram uma violação de uma combinação de todas as três simetrias ao mesmo tempo.

Se você pegar todas as interações observadas na natureza e trocar as cargas, pegar a imagem espelhada e executá-la de volta no tempo, essas interações se comportam exatamente da mesma forma.

Essa simetria fundamental recebe um nome de simetria CPT:

Para carga (C), paridade (P) e tempo (T).

Em um novo artigo recentemente aceito para publicação nos Annals of Physics, os cientistas propõem estender essa simetria combinada.

NOSSO UNIVERSO PODE TER UM GÊMEO QUE VOLTA NO TEMPO

Normalmente, essa simetria só se aplica às interações das forças e os campos que compõem a física do cosmos. Mas talvez, se esta é uma simetria tão incrivelmente importante, ela se aplica ao próprio universo inteiro.

Em outras palavras, essa ideia estende essa simetria da aplicação apenas dos “atores” do universo (forças e campos) ao próprio “palco”, todo o objeto físico do universo.

Por que é provável que isso seja verdade?

Vamos raciocinar:

O universo é perfeitamente simétrico. Exceto pelo tempo. Ele só flui em uma direção, para a frente.

Em teoria, isso significa que em algum lugar há um tempo simétrico fluindo para trás…

Os físicos durante muito tempo não puderam decidir sobre esse salto teórico, e buscavam as razões pelas quais se “permitiu” que o tempo fosse assimétrico.

Agora foi dado o passo decisivo…

As partículas subatômicas de energia extremamente alta e baixa densidade que não carregam nem carga positiva nem negativa.
As partículas subatômicas de energia extremamente alta e baixa densidade que não carregam nem carga positiva nem negativa.

Além disso, o mundo está cheio de neutrinos:

As partículas mais leves e até sem massa e todas giram para a direita. Não há nenhum que para a esquerda. Isso não acontece. Em algum lugar, há neutrinos virados para a esquerda.

Agora está claro onde – em outro universo.

Se o Big Bang deu origem a um universo, ele deve estar repleto de ondas gravitacionais. Mas não vemos nada disso. Só recentemente começamos a notar ondas gravitacionais, e elas são incrivelmente fracas.

Agora está claro que todas as ondas gravitacionais foram para a separação de nossos e não nossos universos.

Finalmente, a gravidade não obedece às regras gerais; nem a mecânica quântica nem a teoria da relatividade conseguiram “contê-la” até o fim.

A nova teoria diz que a gravidade é apenas o efeito desse outro mundo sobre o nosso…

Uma espécie de ilusão!

Até agora, acredita-se que não temos como entrar no tempo oposto. Talvez haja tal maneira. Mas é importante que a nova teoria preveja algumas propriedades interessantes dos mesmos neutrinos.

Os pesquisadores do estudo então perguntaram quais seriam as consequências de tal universo.

Infelizmente, é impossível para nós entrarmos no gêmeo do nosso Universo, já que ele existe antes do Big Bang. Mas isso não significa que a ideia não possa ser testada.

Verdade ou não, futuros experimentos com ondas gravitacionais ou cálculos da massa dos neutrinos poderão responder. Segundo cientistas japoneses, um desequilíbrio de neutrinos pode explicar a existência do universo gêmeo.

Essas partículas subatômicas quase sem peso e pouco visíveis, formadas no centro das estrelas e como resultado de reações nucleares, se comportam de maneira diferente de suas contrapartes de antimatéria.

Criando matéria escura

Vivemos em um universo em expansão…

Este universo está cheio de muitas partículas que fazem muitas coisas interessantes, e a evolução do universo avança no tempo.

Se estendermos o conceito de simetria CPT a todo o nosso cosmos, nossa visão do universo pode não ser a imagem completa. Em vez disso, deve haver mais.

Para preservar a simetria CPT em todo o cosmos, deve haver um cosmos espelhado que equilibre o nosso. Este cosmos teria todas as cargas opostas que temos, viraria no espelho e voltaria no tempo.

Pela primeira vez, os astrônomos podem ter ouvido o 'zumbido' de fundo do universo
Imagem representativa.

Nosso universo é apenas um de um gêmeo. Juntos, os dois universos obedecem à simetria CPT.

Os pesquisadores do estudo então perguntaram quais seriam as consequências de tal universo?

Por um lado, um universo que respeita o CPT naturalmente se expande e se enche de partículas, sem a necessidade de um longo período teorizado de rápida expansão conhecido como inflação.

Embora haja muitas evidências de que um evento como a inflação ocorreu, o quadro teórico desse evento é incrivelmente confuso. É tão confuso que há muito espaço para propostas de alternativas viáveis.

Se, um universo que respeite o CPT adicionaria alguns neutrinos extras à mistura, exigiria a existência de pelo menos uma espécie de neutrino destro.

Esta espécie seria em grande parte invisível para experimentos físicos, influenciando apenas o resto do universo através da gravidade.

Um universo gêmeo ou um antiuniverso
Um universo gêmeo ou um antiuniverso?

Mas uma partícula invisível que permeia o universo e só interage através da gravidade se parece muito com a matéria escura. Os pesquisadores descobriram que as condições impostas pela obediência à simetria CPT encheriam nosso universo com neutrinos destros, o suficiente para explicar a matéria escura.

Se isso for confirmado, é isso, o tempo está oficialmente retrocedendo. A correção da teoria será irrefutável.

E você amigo(a) amigo(a) leitor(a), acha mesmo que exista outro universo com outro planeta igual a terra melhor ainda; que nesse planeta você está rejuvelhecendo ao invés de envelhecer?