Os mais polêmicos “fins do mundo” confira

Os mais polêmicos “fins do mundo” confira

5 de agosto de 2018 0 Por Jonas Estefanski
Compartilhar:

Assim como a história do planeta Nibiru, há séculos profecias sobre o apocalipse aparecem periodicamente. Algumas falam em castigo divino, outras em explosões descontroladas. Todas têm algo em comum: estavam erradas.

Mil e nada mais

1000 – Quando chegasse o ano 1000, de acordo com algumas interpretações de evangelhos apócrifos, a vida de toda a cristandade teria se exaurido. E já que, na época, a cristandade era considerada sinônimo de humanidade, isso signifircaria o fim do mundo. A “data de validade” do homem para muitos tinha sido fixada no final dos mil anos a partir do nascimento de Jesus Cristo, no ano 0, como relata a revista italiana de história “InStoria”. No rèveillon do ano 1000, entretanto, nada ocorreu, fora as tradicionais celebrações. E o mundo continuo sua caminhada rumo ao futuro.

O ano do demônio

1666 – Como relembra a revista “National Geographic”, a chegada do ano com os últimos três números 6, considerados uma “cifra diabólica”, causou muitos temores de que o mundo acabaria. Em Londres, essas superstições foram alimentadas pelo fato de que uma epidemia de peste havia dizimado, no ano anterior, um quinto da população. Como se isso não bastasse, entre os dias 2 e 5 de setembro de 1666, um incêndio devastador queimou dezenas de milhares de casas, deixando 80% da cidade em cinzas. Ao mesmo tempo, as chamas mataram os portadores da praga e, de certo modo, se tornaram providenciais para acabar com a peste. E, mais uma vez, o mundo não acabou.

‘Bug do milênio’
Mil anos depois, a virada de 1999 para 2000 também seria recheada de crenças sobre o fim do mundo. Além de previsões apocalípticas ligadas a grupos religiosos – o pastor americano Edward Dobson chegou a escrever um livro explicando por que Jesus poderia voltar naquele ano –, uma questão tecnológica causou grande preocupação na sociedade.

Muitos programas de computador desenvolvidos durante o século 20, especialmente os mais antigos, abreviavam o ano colocando apenas os dois últimos algarismos – em uma data, o ano de “1988” seria escrito apenas como “88”, por exemplo. Assim, quando houvesse a passagem de ano de 1999 para 2000, esses programas leriam o novo ano como se fosse 1900. Esse grande erro no sistema ganhou o apelido de “Bug do milênio”.

O temor era de que o erro causasse uma grande pane nos computadores mundo afora e que isso comprometesse desde o funcionamento de bancos até usinas nucleares e instalações militares – onde residiria o risco de grandes catástrofes. As Nações Unidas chegaram a criar um grupo específico para prevenir contra a ameaça do “Bug do milênio”. A chegada do ano 2000 trouxe poucos e localizados erros de informática, sem consequências globais significativas.

A grande decepção
Na primeira metade do século 19, o pastor William Miller liderou nos Estados Unidos um movimento conhecido como adventismo, uma corrente cristã que acredita no retorno iminente de Jesus Cristo à Terra.

O calendário Maia termina em 2012?

Segundo a NASA não, o calendário maia não termina em 2012. A data de 21 de dezembro indica apenas o fim de um longo ciclo. Inclusive, explicou a agência, ele funciona da mesma maneira como o calendário que temos em casa: assim como o nosso recomeça no dia 1º de janeiro, um novo período recomeçará no calendário maia.

Existe algum planeta chamado Nibiru, Planeta X ou Eris se aproximando da Terra a ponto de serem ameaças de destruição total?

Mais uma vez, a resposta da agência é um sonoro não. Segundo a NASA, se houvesse planetas se aproximando da Terra, astrônomos já teriam detectado a sua presença há, no mínimo, dez anos. Além disso, os mesmos estariam agora visíveis a olho nu. Eris é real, mas é um planeta anão como Plutão e se manterá distante da Terra.

O alinhamento dos planetas pode impactar na Terra?

Para a NASA não há nenhuma previsão desse tal alinhamento nas próximas décadas e mesmo que houvesse, seu impacto na Terra seria mínimo. Segundo a NASA, alinhamentos já aconteceram em 1962, por exemplo, 1982 e 2000. Todo mês de dezembro, explicou a agência, a Terra e o Sol se alinham próximos ao centro da Via Láctea, mas isso é perfeitamente normal.

Sendo que até agora tudo foi especulações