Devorador de Mundos: buraco negro recém-descoberto é o mais próximo da Terra

Devorador de Mundos: buraco negro recém-descoberto é o mais próximo da Terra

7 de novembro de 2022 0 Por Jonas Estefanski
Compartilhar:

Um buraco negro recém descoberto, com cerca de 10 vezes o tamanho do Sol, é o devorador de luz mais próximo da Terra, estando apenas a 1.560 anos-luz do nosso Planeta, de acordo com um novo estudo.

Batizado de Gaia BH1, o fenômeno astronômico de massa estelar reside em um sistema binário cujo outro membro é uma estrela parecida com o Sol . Essa estrela está tão longe de seu buraco negro companheiro quanto a Terra está do sol , o que torna Gaia BH1 muito especial.

“Embora tenha havido muitas detecções alegadas de sistemas como este, quase todas essas descobertas foram posteriormente refutadas”, o autor principal do estudo, Kareem El-Badry, do Centro Harvard-Smithsonian de Astrofísica em Massachusetts e do Instituto Max Planck de Astronomia na Alemanha. , disse em comunicado.

“Esta é a primeira detecção inequívoca de uma estrela parecida com o Sol em uma ampla órbita em torno de um buraco negro de massa estelar em nossa galáxia”, acrescentou.

Os astrônomos acreditam que a Via Láctea abriga cerca de 100 milhões de buracos negros de massa estelar, objetos devoradores de luz que são de 5 a 100 vezes mais massivos que o sol.

Para detectar este, relativamente, pequeno buraco negro, os pesquisadores empregaram uma técnica alternativas no novo estudo. Eles se debruçaram sobre os dados coletados pela espaçonave Gaia da Agência Espacial Européia (ESA) , que está mapeando precisamente as posições, velocidades e trajetórias de cerca de 2 bilhões de estrelas da Via Láctea.

Uma dessas estrelas é a companheira de Gaia BH1. As pequenas irregularidades de seu movimento sugeriam que estaria sendo rebocada por um buraco negro. Em busca de comprovações, os cientistas estudaram a estrela com vários instrumentos terrestres, incluindo os telescópios Gemini North e Keck 1 no Havaí e os telescópios Magellan Clay e MPG/ESO no Chile.

Essas observações de acompanhamento, combinadas com os dados do Gaia, permitiram que a equipe tomasse a medida do sistema em detalhes. O objeto invisível contém a massa de 10 sóis, eles determinaram, e orbita o centro de massa do sistema cerca de uma vez a cada 186 dias terrestres.

“Nossas observações de acompanhamento do Gemini confirmaram, sem sombra de dúvida, que o binário contém uma estrela normal e pelo menos um buraco negro adormecido”, disse El-Badry.