Descoberto Um “MUNDO SUBTERRÂNEO” A 600 Quilômetros Sob Nossos Pés: Montanhas Maiores que o Everest e Imensas Planícies

Descoberto Um “MUNDO SUBTERRÂNEO” A 600 Quilômetros Sob Nossos Pés: Montanhas Maiores que o Everest e Imensas Planícies

13 de agosto de 2022 0 Por Jonas Estefanski
Compartilhar:

O escritor clássico de ficção científica Júlio Verne uma vez imaginou uma paisagem subterrânea inteira nas profundezas do planeta, completa com espécies pré-históricas perdidas e vida vegetal. O livro foi apropriadamente intitulado ” Viagem ao Centro da Terra “. 

Podemos não encontrar dinossauros lá embaixo, mas novas pesquisas estão revelando características no submundo que se assemelham a estruturas na superfície. Longe de um desastre borbulhante, há montanhas muito abaixo que rivalizariam com qualquer coisa aqui na superfície. 

Uma equipe de geofísicos da Universidade de Princeton, nos EUA, e da Academia Chinesa de Ciências, usou ecos de um terremoto maciço que atingiu a Bolívia há duas décadas para reconstruir a topografia abaixo da superfície. 

A sismóloga de Princeton Jessica Irving trabalhou com o então estudante de pós-graduação Wenbo Wu e outro colaborador para determinar a rugosidade na parte superior e inferior da zona de transição, uma camada dentro do manto, usando ondas de terremoto espalhadas. Crédito: Kyle McKernan, Escritório de Comunicações da Universidade de Princeton 

O Terremoto Permitiu Encontrar Um “Mundo Interno” 

Em 9 de junho de 1994 , um tremor de magnitude 8,2 sacudiu uma região escassamente povoada da Amazônia na nação sul-americana. Nada tão poderoso quanto em décadas, e os choques foram sentidos até no Canadá. 

A geocientista Jessica Irving e um membro da equipe disseram : 

“Terremotos tão grandes não acontecem com muita frequência.” 

Não só era grande, era profundo com um ponto focal estimado a uma profundidade de pouco menos de 650 quilômetros. Ao contrário dos terremotos que se movem pela crosta, a energia desses monstros pode sacudir todo o manto como uma tigela de geleia. 

O terremoto foi um dos primeiros a ser medido em uma rede sísmica moderna, fornecendo aos pesquisadores registros sem precedentes de ondas refletindo no interior do nosso planeta. 

Um terremoto ocorrido a 650 km de profundidade na Bolívia permitiu a descoberta do “mundo subterrâneo”. Crédito: Urutseg/Wikimedia Commons 

Assim como as ondas sonoras de um ultrassom podem revelar diferenças na densidade do tecido dentro de um corpo, as enormes ondas que pulsam pelas entranhas derretidas da Terra enquanto sua crosta estremece e se move contra si mesma podem ser usadas para montar uma imagem do que está lá embaixo.

Só recentemente os geocientistas usaram assinaturas nessas ondas para determinar a rigidez do núcleo do planeta. 

Nesse caso, os pesquisadores aproveitaram a intensidade do terremoto de 1994 para detectar a dispersão das ondas à medida que transitavam entre as camadas, revelando detalhes dos limites. 

Wenbo Wu, geocientista do Instituto de Tecnologia da Califórnia e principal autor do estudo, disse: 

“Sabemos que quase todos os objetos têm rugosidade superficial e portanto dispersam a luz. É por isso que podemos ver esses objetos: as ondas espalhadas carregam as informações sobre a rugosidade da superfície. Neste estudo, investigamos as ondas sísmicas espalhadas que viajam dentro da Terra para limitar a rugosidade do limite de 660 quilômetros da Terra.” 

Submundo 

Nessa profundidade há uma divisão entre as partes inferiores mais rígidas do manto e uma zona superior que não sofre tanta pressão criando uma descontinuidade marcada pelo aparecimento de vários minerais. 

O buraco mais profundo que já cavamos tem apenas 12 quilômetros de profundidade então sem um túnel na escala de Verne para nos colocar não temos ideia de como é essa zona de transição. Até agora. 

Júlio Verne estava certo? 

Com base nessas ondas maciças que atravessam a fronteira, os pesquisadores concluíram que o ponto de encontro entre as partes superior e inferior do manto é uma cordilheira em ziguezague que mostra algo superficial. 

Wu disse: 

“Em outras palavras uma topografia mais forte que as Montanhas Rochosas ou as Montanhas Apalaches está presente no limite de 660 quilômetros.” 

Esta linha irregular tem implicações significativas para a formação da Terra. A maior parte da massa do nosso planeta consiste no manto, então saber como ele se mistura e muda transferindo calor nos diz como ele evolui ao longo do tempo. 

Diferentes visões das evidências produziram modelos concorrentes de como os minerais fluem e se agitam dentro da rocha pressurizada, com alguns dizendo que está bem misturado, outros sugerindo interferência na fronteira. 

A Terra é dividida em cinco camadas internas: o núcleo interno, o núcleo externo, o manto inferior, o manto superior e a crosta. 

Conhecer os detalhes desta montanha subterrânea pode decidir o destino de vários modelos que descrevem a história da geologia em constante mudança do nosso planeta. 

Irving acrescentou: 

“O que é emocionante sobre esses resultados é que eles nos dão novas informações para entender o destino das antigas placas tectônicas que desceram ao manto e onde o material do manto antigo ainda pode residir.” 

Pode não ser um lugar fácil de explorar. Mas o mundo perdido sob nossos pés ainda contém pistas sobre nosso passado, se soubermos onde procurar. 

Júlio Verne estava certo e há um mundo inteiro cheio de coisas inimagináveis ​​para descobrir sob nossos pés? O estudo científico foi publicado na revista Science. 

Fonte