Descoberta a lápide de “Branca de Neve”

Descoberta a lápide de “Branca de Neve”

6 de dezembro de 2021 0 Por eevaldo
Compartilhar:

A lápide de “Branca de Neve”

A história de Branca de Neve e os Sete Anões provavelmente foi baseada em uma pessoa real.

Um museu alemão exibiu a lápide de uma mulher que foi indicada como inspiração para Branca de Neve.

A lápide há muito perdida de uma baronesa do século 18, considerada a inspiração para o conto de fadas “Branca de Neve”, surgiu na Alemanha.

É a marca de uma senhora alemã que viveu no século 18 e teve uma vida muito trágica. A lápide foi considerada perdida por anos, mas sobreviveu por acaso e foi recentemente doada a um museu.

A placa fúnebre é da Baronesa Sophia Maria von Erthal, que nasceu em uma família rica, que pertencia à elite local na cidade alemã de Lohr am Main, perto de Bamberg, na Baviera.

Nascida em uma família aristocrática em 1725, von Erthal era filha do Príncipe Philipp von Erthal, dono de uma fábrica de espelhos. Seus irmãos eram o Príncipe Bispo Franz Ludwig e o Arcebispo Friedrich Karl Joseph.

O Museu Spessart na cidade natal de Lohr am Main, von Erthal, observa que, após a morte da mãe de Sophia, seu pai se casou com Claudia Elisabeth Maria von Venningen, a condessa imperial de Reichenstein. A jovem baronesa, que tinha cerca de 18 anos na época do novo casamento de seu pai, tinha um relacionamento difícil com sua madrasta.

Sua madrasta era uma mulher muito severa. O Daily Mail afirma que ela “tinha a reputação de ser dominadora e favorecer seus filhos naturais”. Parece que ela não deixou Sophia se casar, então ela acabou indo morar com uma mulher pobre e ficou cega.

Sophia Maria von Erthal

Esta é a verdadeira lápide de Branca de Neve?

Os Irmãos Grimm gostavam de pegar pedaços de histórias daqui e dali para criar seus contos incrivelmente sombrios. Muitos são os indicadores que apontam que Sophia Maria foi a origem de sua Branca de Neve.

Kempkens disse à BBC que “há indícios – embora não possamos prová-lo com certeza – de que Sophia foi o modelo para Branca de Neve”. Existem algumas semelhanças indiscutíveis entre a história de Sofia e a princesa do conto de fadas. (artigo BBC)

Lohr am Main, foi um centro da indústria do vidro e fez muitos espelhos, que desempenham um papel importante na narrativa de Grimm. Então, a cidade natal da jovem foi cercada por uma floresta densa e perigosa, semelhante à do conto de fadas.

O castelo em que ela cresceu, agora um museu dedicado a ela e sua família.

O Museu Diocesano de Bamberg observa que a presença de minas na área local pode ter alimentado o famoso conto de fadas. “Havia minas onde crianças ou menores trabalhavam nos túneis, o que poderia apontar para os sete anões”, disse. Os visitantes também precisam cruzar sete colinas para chegar às minas.

“A referência ao conto de fadas é mais uma piada para nós”, disse o diretor do museu Holger Kempkens em um comunicado, acrescentando que a pedra teria sido exibida independentemente de sua ligação com o conto de fadas. O fato de uma mulher que viveu em um período dominado por homens como o final do século 18 ter sua própria lápide é digno de nota, de acordo com as autoridades.

A baronesa, que ficou cega, morreu num mosteiro de Bamberg em 1796. A igreja onde estava enterrada foi demolida no início do século XIX e, embora a lápide tenha sobrevivido, ficou perdida durante muitos anos até à sua recente redescoberta.

Ninguém conhece realmente o modelo histórico de Branca de Neve. No entanto, o povo de Lohr am Main está muito orgulhoso de sua suposta conexão com a amada história.