Cratera em Marte lembra anéis de tronco de árvore; veja a foto

Cratera em Marte lembra anéis de tronco de árvore; veja a foto

1 de fevereiro de 2022 0 Por Jonas Estefanski
Compartilhar:

Uma cratera rica em gelo, com uma série de anéis concêntricos em seu interior, foi fotografada no hemisfério norte de Marte, chamando atenção por se parecer com anéis de crescimento em troncos de árvores. A imagem da formação, deixada por um impacto ocorrido no passado, foi feita pela câmera da sonda ExoMars Trace Gas Orbiter (TGO), da Agência Espacial Europeia (ESA) e Roscosmos, a agência espacial russa. O registro foi produzido em junho de 2021, quando a sonda sobrevoava a região de Acidalia Planitia, no Planeta Vermelho.

Assim como os anéis dos troncos das árvores ajudam os cientistas a entender o clima da Terra no passado, os padrões no interior da cratera também revelam detalhes do histórico de Marte. A formação conta com depósitos possivelmente ricos em água de gelo, que podem ter surgido quando o planeta era jovem, com um eixo de inclinação diferente daquele que tem hoje.

O registro da cratera foi feito pela câmera CaSSIS, a bordo do orbitador Trace Gas Orbiter (Imagem: Reprodução/ESA/Roscosmos/CaSSIS)

Perceba que outra característica interessante destes depósitos na cratera são os formatos presentes por lá. Há padrões poligonais e quase circulares nas fraturas, que provavelmente são o resultado de mudanças de temperatura sazonais. Com essas mudanças, o material rico em gelo passa por ciclos de expansão e contração que, ao longo do tempo, criam estas fraturas de formatos únicos.

Além da estrutura curiosa que têm, os anéis podem ajudar os cientistas planetários a entender melhor o passado da água em Marte, já que a cratera está em um local quente demais para a formação de depósitos de água de gelo. Só que também precisamos considerar que, assim como a Terra, Marte tem estações causadas pela inclinação em seu eixo.

Como esta inclinação muda ao longo de longos períodos (e, aqui, “longos períodos” significa de centenas a milhões de anos), isso sugere que os depósitos no fundo da cratera surgiram em algum momento no passado, quando o planeta tinha inclinação que permitia a formação de depósitos de água de gelo em latitudes menores que aquelas observadas atualmente.

Fonte: ESA