Conselho de Hawking sobre depressão: isso que dizia um dos maiores gênios da ciência

Conselho de Hawking sobre depressão: isso que dizia um dos maiores gênios da ciência

1 de novembro de 2022 0 Por Jonas Estefanski
Compartilhar:

Depressão é uma doença que afeta aproximadamente 350 milhões de pessoas em todo o mundo, de acordo om a Organização Mundial da Saúde (OMS). Além do desânimo profundo, o transtorno causa outros sintomas que prejudicam a qualidade de vida e os relacionamentos.

O renomado cientista Stephen Hawking deu um conselho para quem tem depressão que é capaz de transformar e dar esperança perante à escuridão da doença. Confira:

Conselho de cientista para quem tem depressão

stephen hawking rosto 0317 400x800

Stephen Hawking morreu em março de 2018, mas deixou um legado de teorias científicas impressionantes e inspirou milhões de pessoas por passar mais de 55 anos com esclerose lateral amiotrófica (ELA), doença que prejudica neurônios motores e gera perda de movimentos.

Durante uma palestra no Instituto Real de Londres em 2016, o cientista comparou a depressão a um buraco negro em uma mensagem brilhante, relembrada pelo site IFL Science.

“Os buracos negros não são tão negros quanto parecem. Eles não são prisões eternas, como se pensava antes. Coisas podem sair do buraco negro para fora e possivelmente ir para outro universo. Então, se você sente que está dentro de um buraco negro, não desista – há uma saída”, declarou.

Depressão tem cura

rapaz depressivo janela 116 400x800

Por mais difícil que possa ser enxergar uma saída, depressão é um distúrbio que pode ser controlado.

O transtorno é resultado de desequilíbrios nos neurotransmissores que geram a sensação de prazer, os quais podem ser tratados pela adoção de hábitos saudáveis, terapia e medicação.

Fazer atividades físicas e manter uma alimentação adequada são atitudes que amenizam o sofrimento pois aumentam as quantidades de hormônios da felicidade no cérebro.

Já a psicoterapia se baseia em conversas com psicólogos que modificam padrões de pensamento negativos e prejudiciais aos pacientes, além de ajudá-los a lidar com as dificuldades a sua volta, de modo a conquistarem equilíbrio e qualidade de vida.

Já a medicação regula os neurotransmissores e ajuda o paciente a se estabilizar para conseguir aplicar mudanças em sua vida. Se tomado da maneira correta e sob orientação médica, esse tratamento não causa dependência.

Fonte: VIX