Conheça Aye-aye, o bichinho perseguido por pura superstição

Conheça Aye-aye, o bichinho perseguido por pura superstição

21 de outubro de 2022 0 Por Jonas Estefanski
Compartilhar:

O aye-aye (Daubentonia madagascariensis) parece ser um amálgama de esquisitices animais: olhos de inseto laranja brilhante, orelhas de morcego que se movem para frente e para trás capazes de ecolocalização e, semelhante aos roedores, incisivos que nunca param de crescer. Como os pandas, os aye-ayes possuem um pseudo-polegar, um toco de osso, cartilagem e músculo quase escondido na lateral da mão, para ajudar na preensão. E exclusivo para aye-ayes é seu dedo médio longo e esquelético em forma de galho. Lêmure por excelência só pode ser encontrado em Madagascar.

Aye-aye, o bichinho perseguido por pura superstição

De fato, a sua muito estranha aparência, semelhante a um Gremlin, faz com que seja considerado o principal responsável pela origem da palavra “lemur“, que quer dizer em português “espírito noturno“. Um ornitorrinco das árvores, por assim dizer, sua mão compõe 41% de seu membro anterior; para um humano, isso seria como ter uma mão de quarenta centímetros.

O traço mais marcante é os seus dedos. Ele tem seis dedos em cada mão, o único primata conhecido a ter um “pseudo-polegar” escondido no pulso de cada braço, mas não é o único mamífero. O panda também evoluiu um pseudo-polegar devido a sua dieta de bambu.

Aye-aye, o bichinho perseguido por pura superstição

O pequeno polegar extra possui três graus de movimento, tal como um polegar comum; pode exercer muita força e até possui a sua própria impressão digital. O terceiro dedo é mais fino que os outros, ele é usado para bater no casco das árvores, enquanto o quarto dedo, o mais longo, é usado para puxar para fora os insetos de dentro dos galhos.

Quando o naturalista francês Pierre Sonnerat descreveu o primata em 1782, ele sugeriu que seu nome -como falado pelos habitantes locais- era derivado do som que as pessoas fariam quando o vissem. Embora Sonnerat estivesse errado, é possível que o nome seja derivado de “heh heh“, malgaxe para “eu não sei“, e uma indicação bastante direta de como os humanos entendem e abominam o animal.

Nos primeiros 100 anos após o primeiro aye-aye ser levado para a Europa na década de 1780, o debate girou sobre se era um roedor, um primata ou um parente mais próximo de um canguru. A raiz dessa confusão está na estranha coleção de traços comportamentais e morfológicos do animal.

Aye-aye, o bichinho perseguido por pura superstição

Devido às suas características morfológicas derivadas, a classificação do aye-aye foi muito debatida. A posse de incisivos em crescimento contínuo (dentes da frente) é paralela aos dos roedores, levando os primeiros naturalistas a classificar erroneamente o aye-aye dentro da ordem mamífera Rodentia e como um esquilo, devido aos dedos dos pés, coloração dos pelos e cauda. No entanto, o aye-aye também é semelhante aos felinos em sua forma de cabeça, olhos, orelhas e narinas.

A classificação do aye-aye com a ordem dos primatas tem sido igualmente incerta. No entanto, os resultados moleculares colocaram consistentemente o Daubentonia como o mais basal dos lêmures. A explicação mais parcimoniosa para isso é que todos os lêmures são derivados de um único ancestral que viajou da África para Madagascar durante o Paleogeno.

Aye-aye, o bichinho perseguido por pura superstição

Ele usa o dedo médio para bater ao longo de um galho a uma taxa de até oito vezes por segundo e move as orelhas para frente e para trás para ajudar a localizar canais ocos dentro da madeira criados por larvas de insetos que perfuram a madeira. Uma vez que detecta um canal, o aye-aye usa seus dentes frontais especializados para abrir a madeira e, em seguida, insere um de seus dedos extralongos e ossudos para extrair as larvas, uma maravilha da evolução e, como seus outros traços estranhos, uma excelente adaptação para o insetívoro.

O aye-aye é classicamente considerado “solitário”, pois foram observados poucas vezes socializando. No entanto, pesquisas recentes sugerem que ele pode ser mais social do que se pensava. Geralmente se apega a forragear em sua própria área de vida pessoal, ou território.

Aye-aye, o bichinho perseguido por pura superstição

As áreas de vida dos machos geralmente se sobrepõem, e os machos podem ser muito sociais uns com os outros. As áreas de vida das fêmeas nunca se sobrepõem, embora a área de vida de um macho geralmente se sobreponha à de várias fêmeas.

Os aye-ayes machos vivem em grandes áreas de até 32 hectares, enquanto as fêmeas têm espaços menores que vão até 8,1 hectares. Por isso é difícil para os machos defenderem uma fêmea singular por causa da grande área de vida. Eles são vistos exibindo poliginia por causa disso.

A marcação regular do cheiro com as bochechas e o pescoço é como aye-ayes permitem que os outros saibam de sua presença e repele os intrusos de seu território.

Aye-aye, o bichinho perseguido por pura superstição

Como muitos outros prossímios, a fêmea aye-aye é dominante sobre o macho. Elas não são tipicamente monogâmicas e muitas vezes se desafiam por parceiros. Os machos aye-aye são muito assertivos dessa maneira, e às vezes até afastam outros machos de uma fêmea durante o acasalamento.

Os machos ficam normalmente “grudados” às fêmeas durante o acasalamento em sessões que podem durar até uma hora. Fora do acasalamento, machos e fêmeas interagem apenas ocasionalmente, geralmente durante o forrageamento. Acredita-se que o aye-aye seja o único primata que usa a ecolocalização para encontrar sua presa.

Aye-aye, o bichinho perseguido por pura superstição

O aye-aye é tão esquivo e arisco que acreditou-se que ficou “extinto” entre 1933 e 1957, quando foi redescoberto. Em 1966, nove indivíduos foram transportados para Nosy Mangabe, uma ilha perto de Maroantsetra, no leste de Madagascar e a população só fez crescer.

No entanto, pesquisas recentes mostram que o aye-aye é mais difundido do que se pensava anteriormente devido aos seus hábitos noturnos. Os reclusos noturnos movem-se de galho em galho na floresta negra como breu, cobrindo até cinco quilômetros por noite. Sem caminho, sem estrada, basta seguir em todos os lugares que eles querem ir, geralmente onde não tenha a presença humana, mas seu status de conservação foi alterado para Ameaçado de Extinção em 2014.

Aye-aye, o bichinho perseguido por pura superstição

Isso ocorre por três razões principais: o aye-aye é considerado um prenúncio do mal pelos locais, as florestas de Madagascar estão sendo destruídas, e os agricultores matam os lêmures indistintamente para proteger suas plantações e para a caça furtiva. No entanto, não há evidências diretas que sugiram que os aye-ayes representam qualquer ameaça legítima às plantações e, portanto, são mortos com base na superstição.

O aye-aye é muitas vezes visto como um prenúncio do mal, da morte, doença e quebra de safra. Esses medos levaram as pessoas a matar as criaturas à simples vista. A crendice diz que se um animal apontar seu dedo mais estreito para alguém, esta pessoas está marcada para morrer.

Aye-aye, o bichinho perseguido por pura superstição

Alguns dizem que o aparecimento de um aye-aye em uma aldeia prediz a morte de um aldeão, e a única maneira de evitar isso é matá-lo. O povo Sakalava chega ao ponto de afirmar que aye-ayes se esgueiram pelas casas pelos telhados de palha e assassinam os ocupantes adormecidos usando seus dedos médios para perfurar a aorta de suas vítimas.

Hoje em dia o aye-aye tem status de proteção e é proibido matá-lo. Programas de conscientização do governo e ONGs malgaxes tentam conectar o aye-aye a visões positivas enraizadas em realidades ecológicas. Aye-ayes comem insetos que ameaçam as plantações, por exemplo e aos poucos os malgaxes começam a nutrir carinho pelo animal único.

Com efeito, crenças negativas e medos infundados -o aye-aye não é fisicamente capaz de assassinar um humano- surgiram porque o animal é um bode expiatório conveniente. Assim como os morcegos e outros animais noturnos e de aparência incomum, o aye-aye pode parecer antinatural para algumas pessoas. Se eles virem um aye-aye e alguns dias depois adoecerem ou se machucarem, pode ser tentador associar sua má sorte ao estranho animal que viram rastejando do lado de fora de sua casa.

E assim nasce uma superstição. A aparência do aye-aye pode tornar o lêmure especialmente propenso a associações “não naturais”. Uma pena com o bichinho.