Coincidência Estranha: 7 Criaturas Misteriosas Apareceram Em Muitas Culturas Antigas

Coincidência Estranha: 7 Criaturas Misteriosas Apareceram Em Muitas Culturas Antigas

20 de agosto de 2022 0 Por Jonas Estefanski
Compartilhar:

partir dos livros sobre história antiga sabemos que as pessoas costumavam adorar muitos Deuses mas você já ouviu falar sobre semideuses conhecidos como “civilizadores”? Alguns pesquisadores há muito discutem “civilizadores” que transmitem conhecimento, tecnologia e cultura às pessoas. Em muitas culturas antigas como Babilônia, Suméria, China, Grécia Antiga e Índia, esses semideuses ou criaturas misteriosas são conhecidos como “sete homens sábios” ou “sete sábios”.

Nos textos sumérios  os sete sábios eram chamados de Abgal (ou Apkallu em acadiano). De acordo com uma lenda esses sábios foram criados pelo Deus da sabedoria Enki e chegaram às pessoas do mundo oceano Abzu o que se reflete em seu nome (ab = água, gal = grande, lu = homem). Abgal é mencionado na “lista Uruk de reis e sábios” (165 aC), “Babilônia” de Berossus, “poema sobre Erra (Deus da peste acadiana)” e em tabuinhas com encantamentos.

Apkallu do Templo de Ninurta

Os sábios Apkallu serviram como conselheiros para os reis sumérios que governaram antes do grande dilúvio e também eram sacerdotes do Deus Enki. Mas aparentemente eles não eram apenas ajudantes e benfeitores desinteressados mas foram designados pelos Deuses aos reis para desempenhar funções de controle e supervisão. De acordo com alguns mitos a aparência desses sábios era como a de um peixe mas depois do dilúvio ela mudou. Agora eles eram metade humanos e metade criaturas sobre-humanas.

Apkallu vestindo uma capa de peixe. Crédito da imagem: 

Osama Shukir Muhammed Amin 

via ancient.eu

Os sábios fundaram as primeiras sete cidades sumérias e também eram os poderes divinos chamados “Eu” ou “tábua dos destinos”. A palavra suméria “eu” significa forças divinas misteriosas e poderosas, conhecimento, tecnologias, conceitos. Os sumérios acreditavam que algum “eu” era transmitido às pessoas pelos Deuses por meio de seus intermediários os sete sábios Apkallu que também ensinavam às pessoas os ofícios e artes recebidos de Enki, que por sua vez recebia o “eu” do deus Enlil.

Obviamente a presença de algumas criaturas míticas no texto sumério não é suficiente para provar essa lenda. No entanto existem lendas semelhantes dos sete sábios no antigo texto védico indiano. Em sânscrito os “sete sábios” são chamados saptarishis

O Rig Veda (textos sagrados canônicos do Hinduísmo) narra cerca de sete grandes rishis (“grandes iogues” ou “sábios”). Eles são mencionados junto com os Deuses. Eles ainda não têm nomes definidos. No Satapatha Brahmana, eles já são individualizados e recebem nomes. Sete Rishis foram identificados com as sete estrelas da Ursa Maior.

Manu salva Saptarishi do Dilúvio

Os sete filhos espirituais de Brahma na mitologia indiana são chamados de Manasputra (em sânscrito “voluntariamente aceito como filho” ou “equivalente a pan son”). Eles são considerados os criadores do universo e os progenitores de todos os seres vivos hoje.

Esses sábios foram tão importantes que durante o Grande Dilúvio os Deuses lhes disseram para serem salvos primeiro. No Matsya Purana (a mais antiga literatura sânscrita preservada) está escrito como Brahma na forma de um peixe, instruiu Manu a pegar sete sábios sagrados e plantar sementes em um barco para salvá-los do Dilúvio.

Os antigos iranianos têm raízes comuns com os índios védicos e aqui sete sábios são conhecidos como Amesha Spentas ou Sagrados Imortais. No Zoroastrismo os Amesha Spentas são os seis espíritos mais elevados do reino da luz patronos do bem: deles vem a criação de todas as coisas visíveis e boas e de acordo com sua decisão tudo o que é perfeito e bom é realizado e preservado. Embora existam seis Amesha Spentas em si junto com o Deus Ahuramazda (‘Senhor’ ou ‘Espírito’), Amesha-Spenta compõe os “sete sagrados”. Além disso na religião persa média posterior cada um dos Amesha-Spenta foi creditado com o patrocínio de uma certa área na criação da vida.

Da mesma forma na religião judaica existem sete Arcanjos mas apenas três são mencionados no Tanakh (Antigo Testamento): Miguel, Gabriel e Rafael. Os outros quatro, Oriel, Raguel, Sariel e Jerahmeel, são mencionados no Livro de Enoque.

Na tradição cristã ortodoxa os nomes dos sete arcanjos são Miguel, Gabriel, Rafael, Uriel, Yehudiel, Selaphiel, Barachiel. No Islã, os nomes dos anjos são emprestados da palavra hebraica “Malak”.

Referências:

https://www.ancient.eu/article/1122/wall-reliefs-apkallus-of-the-north-west-palace-at/

https://www.latimes.com/socal/daily-pilot/tn-dpt-0303-godsquad-20120302-story.html

Fonte