Cientistas descobrem mais evidências de que a vida “foi semeada na Terra”

Cientistas descobrem mais evidências de que a vida “foi semeada na Terra”

11 de outubro de 2022 0 Por Jonas Estefanski
Compartilhar:

A origem da vida na Terra é um tema que sempre gerou polêmica e opiniões conflitantes entre diferentes correntes acadêmicas.

Além dessas diferentes teorias que tentam explicar essa origem, existem cientistas que há alguns anos usam uma abordagem muito interessante.

De acordo com uma equipe de pesquisadores planetários, a vida em nosso planeta pode ter sido semeada!

Isso é demonstrado pelas evidências mais recentes encontradas em um asteroide, das quais amostras foram extraídas e analisadas em detalhes.

Alguns dados e detalhes da investigação em andamento foram divulgados recentemente pelos cientistas japoneses responsáveis ​​pelo projeto de pesquisa.

Sem dúvida, estamos diante de uma descoberta fascinante que merece destaque, pois pode encerrar as discussões sobre como surgiu a vida.

O asteroide Ryugu e suas características

É um corpo celeste que tem um diâmetro de 900 metros que orbita em torno do Sol, mas muito próximo da Terra e de Marte. Especialistas o classificaram como um “asteroide carbonáceo” devido à sua composição química, que foi apresentada após vários testes.

Fotografia do asteroide Ryugu.
Fotografia do asteroide Ryugu.

Da mesma forma, eles consideram bastante provável que os materiais que compõem o asteroide Ryugu pertençam à nebulosa da qual os planetas e o Sol se originaram há milênios.

Estudos realizados por pesquisadores sugerem que esses corpos contêm várias substâncias orgânicas, incluindo compostos prebióticos.

Os primeiros resultados obtidos e publicados pelo grupo de cientistas indicam que:

“Esta classe de asteroides do grupo C foi capaz no passado distante de depositar as moléculas orgânicas prebióticas necessárias para originar a vida na Terra.”

Hayabusa-2: uma missão espacial impressionante

A missão espacial para pousar no asteroide Ryugu e coletar as amostras começou em 2014, quando a espaçonave japonesa Hayabusa-2 foi lançada ao espaço.

A espaçonave japonesa Hayabusa2 completou um de seus desafios mais empolgantes até agora: na noite de quinta-feira (21), pousou no asteroide Ryugu, disparou um projétil de tântalo na superfície rochosa
A espaçonave japonesa Hayabusa2 completou um de seus desafios mais empolgantes até agora, pousou no asteroide Ryugu, disparou um projétil de tântalo na superfície rochosa.

Depois de viajar centenas de milhares de quilômetros ao longo de quase 4 anos, ela finalmente alcançou seu objetivo em 2018.

Uma vez que a espaçonave estava 20 quilômetros acima do asteroide, ela implantou dois pequenos robôs para começar a estudar sua superfície.

Um evento digno de destaque porque pela primeira vez na história da ciência aeroespacial esta manobra pôde ser realizada com sucesso.

O principal objetivo deste projeto era trazer amostras do asteroide a Terra para análise. Para conseguir isso, a nave disparou um impactor cinético para criar uma cratera de aproximadamente 2 metros.

Dessa forma, os robôs coletaram os materiais necessários para serem estudados posteriormente.

Além das amostras e fotografias, a Hayabusa-2 teve tempo suficiente para observar o asteroide com todos os seus instrumentos:

Câmeras, sensores de temperatura e espectrômetros.
A espaçonave japonesa Hayabusa2 permanece fotografado no asteroide seixos e pedregulhos na superfície de Ryugu.
A espaçonave japonesa Hayabusa2 permanece fotografado no asteroide seixos e pedregulhos na superfície de Ryugu.

O tempo que a investigação espacial durou foi de um ano e meio, então os materiais coletados foram enviados para a Terra em 2020.

Hiroshi Naraoka, bolsista da Universidade Kyushu, com sede no Japão, liderou a pesquisa acompanhado por uma grande equipe de cientistas japoneses e internacionais.

Após realizar várias análises microscópicas, mineralógicas e químicas rigorosas, os resultados foram obtidos…

O asteroide Ryugu tem uma composição muito original, pois as amostras continham:

1,14 frações de massa de hidrogênio – 3,76 frações de massa de carbono – 0,16 frações em massa de nitrogênio.

Comparado a outros corpos celestes semelhantes, Ryugu é mais rico nesses elementos.

Além disso, foi possível determinar que contém 10 classes diferentes de aminoácidos, vários compostos nitrogenados e hidrocarbonetos aromáticos policíclicos.

Um estudo fundamental para entender a formação da vida

A evidência encontrada no asteroide Ryugu lança uma luz bastante clara sobre a compreensão da formação do sistema solar.

Imagens microscópicas de partículas Ryugu enviadas para a Terra.
Imagens microscópicas de partículas Ryugu enviadas para a Terra.

Os cientistas também acreditam que o estudo, que está apenas em sua primeira fase, pode fornecer informações decisivas para entender a origem da vida.

Esta afirmação segue tendo em conta que a referida rocha espacial tem uma origem primitiva.

De acordo com as observações feitas pelo Habayusa-2, há milhões de anos fazia parte de um corpo principal, do qual se separou após uma colisão catastrófica.

Como pensa a imprensa internacional, essa pesquisa é um luxo da ciência.

Para mais detalhes das descobertas científicas no estudo publicado clique aqui!

Referencia:

SOLUBLE ORGANIC COMPOUNDS IN ASTEROID 162173 RYUGU. 53ª Conferência de Ciência Lunar e Planetária (2022) – Naraoka, H., Takano, Y., & Dworkin, J. P.

Deixe sua opinião nos Comentários!
E compartilhe com seus amigos…