Bióloga é salva por baleia Jubarte que a protege de ataque de tubarão-tigre

Bióloga é salva por baleia Jubarte que a protege de ataque de tubarão-tigre

11 de fevereiro de 2022 0 Por Jonas Estefanski
Compartilhar:

Nan Hauser é uma bióloga marinha que mergulha com baleias há quase 30 anos. Nas imagens impressionantes abaixo, podemos ver o momento em que uma baleia jubarte de 50.000 libras a empurrou para frente e para trás na água para protegê-la de um tubarão próximo.

Em outubro, Hauser estava mergulhando nas águas de Muri Beach, Rarotonga, nas Ilhas Cook do Pacífico Sul, com uma equipe que queria filmá-la na água ao lado de baleias jubarte. De uma maneira incomum e persistente, uma das baleias nadou até ela e começou a cutucá-la com a boca e o queixo, aparentemente tentando colocá-la sob a barbatana peitoral.

Reprodutor de vídeo00:0602:58

Hauser conta: “Ele simplesmente não parava de me tocar. Eu tentei ir embora várias vezes, mas ela continuou fazendo isso. Ele finalmente me empurrou para fora da água com sua barbatana. Ele ficava colocando o olho bem perto de mim e eu não conseguia entender o que ele estava tentando me dizer.”

“Finalmente tirei os olhos da baleia e vi algo nadando muito rápido com a cauda balançando de um lado para o outro. As baleias nadam com as caudas balançando para cima e para baixo… Foi então que percebi que era um tubarão-tigre, e era um dos maiores tubarões que já vi.”

A essa altura, a baleia havia devolvido Hauser ao barco após alguns minutos intensos de luta livre e giro. Quando chegou a hora, Hauser rapidamente pulou no barco e a baleia voltou para verificar sua segurança.

“Eu apenas coloquei minhas mãos no meu rosto e comecei a chorar. Não sei dizer se foram lágrimas de alívio porque eu estava viva ou porque acabei de experimentar a coisa mais incrível que já vi.” contou a moça.

As baleias jubarte são conhecidas por se importarem com os outros, e há vários casos documentados de tentativas de salvar outros animais do perigo. O biólogo marinho Bert Pitman analisou esse comportamento por mais de 60 anos e concluiu que as baleias jubarte frequentemente se unem para interromper os ataques de orcas, independentemente do tipo de animal que está sendo atacado.

Até agora, o encontro de Hauser é o único caso documentado envolvendo um humano.

Embora Hauser tenha sofrido um pouco de contusão no encontro, isso não o impediu de entrar nas mesmas águas alguns dias depois, em seu aniversário. Uma jubarte feminina seguiu seu barco por quilômetros e continuou pulando para fora da água como se quisesse chamar sua atenção.

Hauser disse: “Eu só sabia que ela era a segunda baleia naquele dia, aquela que estava batendo na água. Entrei na água com ela e ela mergulhou. Eu pensei ‘Não, ela não me reconheceu’. Mas logo abaixo de mim, ela estava aparecendo com suas belas nadadeiras peitorais para fora. Ela colocou as nadadeiras e me abraçou.”

Depois de alguns dias agitados, Hauser não pôde deixar de se sentir mais inspirada do que nunca para continuar seu importante trabalho e educar ainda mais as pessoas sobre os problemas enfrentados pelas baleias nos oceanos do mundo.