Astrônomos detectam um misterioso sinal de rádio que nunca foi visto antes e que desafia as leis da física

Astrônomos detectam um misterioso sinal de rádio que nunca foi visto antes e que desafia as leis da física

24 de novembro de 2022 0 Por Jonas Estefanski
Compartilhar:

A astronomia pode ser, de certa forma, um pouco como um clássico jogo de estratégia. Cientistas exploram um mundo extenso, coletam informações e testam teorias sobre um grande mistério.

Você não pode cobrir todos os cantos, mas com a combinação certa de estratégia e sorte, você pode reunir pistas suficientes para adivinhar a resposta ordenada (quem, onde e como).

Só que, em vez de ser um jogo, os astrônomos estão tentando rastrear a fonte de estranhos flashes de sinais de rádio que chegam à Terra das profundezas do espaço.

Os cientistas descobriram centenas desses flashes, conhecidos como rajadas rápidas de rádio (FRBs), nos últimos 15 anos, os sinais são intensos e fugazes.

Eles vêm de todas as direções no céu noturno e se aproximam de nossos telescópios, a maioria é única, para nunca mais ser vista.

Vários radiotelescópios recebem um sinal misterioso de nossa galáxia
Imagem Representativa!

Alguns “FRBs repetidos” apareceram mais de uma vez(clique aqui para ver).

Os astrônomos tentaram encontrar uma explicação, mas até agora são apenas hipóteses.

E se os FRBs não fossem misteriosos o suficiente, agora as intrigantes ondas de rádio originadas de um aglomerado de galáxias distantes são diferentes de qualquer coisa vista antes e parecem desafiar as leis da física conhecida.

Nunca visto antes

Um novo artigo publicado na revista científica Monthly Notices of the Royal Astronomical Society pelos pesquisadores Tessa Vernstrom da Universidade da Austrália Ocidental e Christopher Reisely da Università di Bologna na Itália descreve uma série de objetos grandes e de baixa frequência em aproximadamente 800 milhões de anos-luz da Terra.

Plano de correlação de brilho de superfície de rádio e raio-X para o 'halo de rádio' em Abell 3266.
Plano de correlação de brilho de superfície de rádio e raio-X para o ‘halo de rádio’ em Abell 3266.

Os pesquisadores usaram telescópios de rádio e raios-X para estudar os objetos estranhos, uma emissão de rádio fóssil, uma relíquia de rádio e um halo de rádio, localizados dentro do aglomerado de galáxias Abell 3266.

Todos os três eram muito fracos para serem detectados até que os pesquisadores aplicaram um algoritmo complexo para imagens de telescópio do aglomerado e descobriram evidências do buraco negro supermassivo que o criou.

Em um artigo postado no site The Conversation, no qual eles também compartilharam várias imagens de suas pesquisas, os pesquisadores disseram que desafiam as teorias existentes sobre as origens de tais objetos e suas características.

O sinal de rádio, um arco de ondas semelhante a um estrondo sônico impulsionado por ondas de choque que viajam pelo plasma, chamou particularmente a atenção dos pesquisadores, revelando características nunca vistas.

“Sua forma côncava também é incomum, ganhando o apelido cativante de uma relíquia da ‘estrada errada’ “,

disseram os pesquisadores e continuaram:

“No geral, nossos dados quebram nossa compreensão de como as relíquias são geradas e ainda estamos trabalhando para decifrar a física complexa por trás desses objetos de rádio”.

Distribuição de energia espectral (SED) para o fóssil de espectro ultraíngreme ao NW de Abell 3266
Distribuição de energia espectral (SED) para o fóssil de espectro ultraíngreme ao NW de Abell 3266.

O “radiofóssil“, visto no canto superior direito da imagem principal, é muito fraco e vermelho, indicando que era antigo, observaram os pesquisadores.

“Achamos que esta emissão de rádio veio originalmente da galáxia no canto inferior esquerdo, com um buraco negro central que está desligado há muito tempo”,

acrescentaram e continuaram os pesquisadores:

“Nossos melhores modelos físicos simplesmente não se ajustam aos dados, isso revela lacunas em nossa compreensão de como essas fontes evoluem, lacunas que estamos trabalhando para preencher.”

Finalmente, usando um algoritmo inteligente, desfocamos a imagem principal para procurar uma emissão muito fraca que é invisível em alta resolução, descobrindo a primeira detecção de um halo de rádio em Abell 3266.

Este é o começo do caminho para entender Abell 3266

O mapa de cores mostra nossa imagem ATCA em 2,1 GHz; o contorno preto mostra o contorno 4 σ do nosso mapa ASKAP.
Painel esquerdo: mapas de brilho da superfície de rádio da relíquia ‘incorreta’ com resolução de 15 segundos de arco. – Painéis da direita: perfil do índice espectral α ( superior, em azul) e número MachM(inferior, em vermelho) para as regiões mostradas no painel esquerdo.

Descobrimos uma riqueza de informações novas e detalhadas, mas nosso estudo levantou ainda mais questões.

Os telescópios que usamos estão lançando as bases para a ciência revolucionária do projeto Square Kilometer Array, estudos como o nosso permitem que os astrônomos descubram o que não sabemos.

Em entrevista à estação de rádio Australian Broadcasting Corporation (ABC), o Dr. Verstrom observou que o sinal da relíquia também era muito mais brilhante no espectro de rádio do que o previsto por qualquer modelo.

O Square Kilometre Array (SKA) será o maior telescópio do mundo, capaz de captar ondas de rádio
O Square Kilometre Array (SKA) será o maior telescópio do mundo, capaz de captar ondas de rádio.

“Então, nós realmente não entendemos o que isso nos diz”,

explicou o Dr. Verstrom e continuou:

“Talvez haja algum tipo de nova física que não entendemos completamente quando nossos modelos não podem corresponder às observações. Existem milhares de aglomerados de galáxias no universo, mas surpreendentemente poucos objetos como Abell 3266 foram detectados, basicamente, eles são difíceis de detectar.”

Os FRBs estão ficando cada vez mais estranhos, e o que parecia ser o último vislumbre de estrelas moribundas agora parece ser muito mais do que apenas um fenômeno espacial.

Isso abre a possibilidade de que sua origem seja realmente extraterrestre ou talvez algo muito maior, algo que atualmente não podemos entender.

O que você, amigo(a) leitor(a) acha dos sinais misteriosos?

Deixe sua opinião nos Comentários!
E compartilhe com seus amigos…