A Tábua Esmeralda: «Os Segredos do Universo Revelados»

A Tábua Esmeralda: «Os Segredos do Universo Revelados»

20 de outubro de 2022 0 Por Jonas Estefanski
Compartilhar:

Diz-se que a tábua de esmeralda é uma tábua de pedra esmeralda ou verde com os segredos do universo. A origem da tabuinha de esmeralda não é clara, por isso é cercada de lendas.

A lenda mais comum afirma que a tabuinha foi encontrada em uma tumba cavada sob a estátua de Hermes em Tiana, agarrada nas mãos do cadáver do próprio Hermes Trismegisto. Outra lenda sugere que ele era o terceiro filho de Adão e Eva, Seth, que originalmente a escreveu.

Outros acreditavam que a tabuinha já esteve dentro da Arca da Aliança. Alguns até afirmam que a fonte original da Tábua de Esmeralda não é outra senão a lendária cidade de Atlântida.

Embora várias alegações tenham sido feitas sobre as origens da Tábua de Esmeralda nenhuma evidência verificável foi encontrada para apoiá-las até agora.

A fonte documentável mais antiga para o texto da Tábua de Esmeralda é o Kitab sirr al-haliqi (Livro do Segredo da Criação e da Arte da Natureza), que era um composto de obras anteriores.

É uma obra árabe escrita no século VIII dC e atribuída a um certo ‘Balinas’, ou Pseudo-Apolônio de Tiana.

É Balinas quem nos conta a história de como descobriu a Tábua de Esmeralda no túmulo. Com base nessa obra árabe alguns acreditam que a Tábua de Esmeralda foi uma obra árabe escrita entre os séculos VI e VIII aC em vez de uma obra dos tempos antigos como muitos afirmam.

Enquanto Balinas afirmou que a Tábua de Esmeralda foi originalmente escrita em grego o documento original que ele supostamente possuía não existe mais se é que existiu.

No entanto o próprio texto rapidamente se tornou conhecido e foi traduzido por várias pessoas ao longo dos séculos.

Por exemplo uma versão inicial da Tábua de Esmeralda também apareceu em um trabalho chamado Kitab Ustuqus al-Uss al-Thani (Segundo Livro dos Elementos Fundamentais), que é atribuído a Jabir ibn Hayyan.

No entanto levaria vários séculos até que o texto fosse acessível aos europeus. No século 12 dC, a tabuinha de esmeralda foi traduzida para o latim por Hugo von Santalla.

A Tábua de Esmeralda se tornaria um dos pilares da alquimia ocidental.

Foi um texto muito influente na alquimia medieval e renascentista e provavelmente ainda é hoje. Além das traduções da Tábua de Esmeralda vários comentários foram escritos sobre seu conteúdo.

Por exemplo uma tradução de Isaac Newton foi descoberta entre seus papéis alquímicos. Esta tradução está atualmente na livraria do King’s College da Universidade de Cambridge.

Outros pesquisadores notáveis ​​do Emerald Tablet incluem Roger Bacon, Albertus Magnus, John Dee e Aleister Crowley.

A interpretação do texto da Tábua de Esmeralda não é uma questão direta, pois é afinal um texto esotérico. Por exemplo uma interpretação sugere que o texto descreve sete estágios de transformação alquímica:

Calcinação, dissolução, separação, conjunção, fermentação, destilação e coagulação.

No entanto apesar das várias interpretações disponíveis, parece que nenhum de seus autores afirma ter conhecimento de toda a verdade.

Além disso os leitores são incentivados a ler o texto e tentar interpretar e encontrar as verdades ocultas dentro de si.

Fonte