A ciência não explica: primata raro é flagrado cutucando o nariz com dedo gigantesco

A ciência não explica: primata raro é flagrado cutucando o nariz com dedo gigantesco

1 de novembro de 2022 0 Por Jonas Estefanski
Compartilhar:

Maior lêmure noturno do mundo, aye-aye acabou registrado durante o ato, cuja razão ainda permanece desconhecida

Apesar de ser considerado o maior lêmure noturno do mundo, o aye-aye dificilmente é avistado por seres humanos em meio as florestas de Madagascar, na África. No entanto, em um raro registro da espécie (Daubentonia madagascariensis), um desses animais acabou flagrado enquanto cutucava uma narina, com um dos seis dedos que possui em cada pata posterior.

No caso, ele utilizou o maior deles, cujo comprimento pode alcançar até 8 cm. Até então, pesquisadores acreditavam que a função da extremidade longilínea era retirar larvas dos troncos das árvores. Mas a “limpeza de salão” citada acima deve alterar essa perspectiva.

De acordo com um artigo publicado no acadêmico Journal of Zoology, uma tomografia computadorizada realizada por especialistas mostrou que o dedo em questão seria grande o suficiente para alcançar o fundo da garganta do aye-aye.

“Colocar o terceiro dedo inteiro no nariz é bastante impressionante”, avaliou Anne-Claire Fabre, curadora da área de mamíferos do Museu de História Natural de Berna e uma das autoras do estudo. “Estava tentando imaginar para onde [o dedo] estava indo, o que ajudou a inspirar este artigo.”

Imaginar apenas, pois explicar ainda não é possível para os cientistas. A hipótese mais aceita até o momento é que o lêmure realize o ato para remover larvas ou o resto delas da região alcançada.

Ainda assim, conforme reportado pelo tabloide Daily Star, o curador de mamíferos do Museu de História Natural de Londres, Roberto Portela Miguez, explicou que cutucar o nariz é um comportamento relatado apenas em espécies de primatas, devido ao alto nível de destreza que possuem com os dedos. “Um fenômeno que ocorre entre nós e espécies intimamente relacionadas”, afirmou o especialista.