A agência espacial está analisando a ideia de enviar robôs para nadarem sob as crostas geladas das luas Europa e Encélado. Se tudo der certo, poderemos encontrar formas de vida em um ambiente semelhante à Terra primitiva.

A agência espacial está analisando a ideia de enviar robôs para nadarem sob as crostas geladas das luas Europa e Encélado. Se tudo der certo, poderemos encontrar formas de vida em um ambiente semelhante à Terra primitiva.

9 de julho de 2022 0 Por ucrhyan
Compartilhar:

A NASA anunciou recentemente US$600.000 em financiamento para um estudo sobre a viabilidade de enviar enxames de robôs nadadores em miniatura (conhecidos como micronadadores independentes) para explorar oceanos sob as calotas geladas dos muitos “mundos oceânicos” do nosso sistema solar. Plutão é um exemplo de um mundo oceânico provável. Mas os mundos com oceanos mais próximos da superfície, tornando-os os mais acessíveis, são Europa, uma lua de Júpiter, e Encélado, uma lua de Saturno.

Esses oceanos são de interesse dos cientistas não apenas porque eles contêm tanta água líquida (o oceano da lua Europa provavelmente tem cerca de duas vezes mais água do que todos os oceanos da Terra), mas porque as interações químicas entre a rocha e a água do oceano podem sustentar a vida. De fato, o ambiente nesses oceanos pode ser muito semelhante ao da Terra na época em que a vida começou. Estes são ambientes onde a água que se infiltrou na rocha do fundo do oceano torna-se quente e quimicamente enriquecida – água que é então expelida de volta ao oceano. Os micróbios podem se alimentar dessa energia química e, por sua vez, podem ser comidos por organismos maiores. Nenhuma luz solar ou atmosfera é realmente necessária.

Muitas estruturas rochosas e quentes desse tipo, conhecidas como “respiradouros hidrotermais”, foram documentadas nos fundos oceânicos da Terra desde que foram descobertas em 1977. Nesses locais, a cadeia alimentar é de fato sustentada por quimiossíntese (energia de reações químicas) em vez da fotossíntese (energia da luz solar). O oceano de Encélado já foi amostrado ao pilotar a sonda Cassini através de nuvens de cristais de gelo que irrompem através de rachaduras no gelo. E há esperanças de que a missão Europa Clipper, da NASA, possa encontrar colunas de vapor semelhantes para amostrar quando começar uma série de sobrevoos próximos da lua Europa em 2030. É aqui que surge o conceito de sensoriamento com micronadadores independentes (Swim).


Encélado é um dos mundos com oceano sob sua superfície.
Fonte: picture-alliance

A ideia é pousar em Europa ou Encélado (o que não seria barato nem fácil) em um local onde o gelo é relativamente fino (ainda não localizado) e usar uma sonda aquecida radioativamente para derreter um buraco de 25cm de largura até o oceano – localizado centenas ou milhares de metros abaixo. Uma vez lá, ela liberaria cerca de quatro dúzias de micronadadores de 12cm de comprimento e em forma de cunha para explorar. Nesta fase, o Swim é apenas um dos cinco “estudos de fase 2” em uma série de “conceitos avançados” financiados na rodada de 2022 do programa Innovative Advanced Concepts (NIAC), da NASA. Portanto, ainda há grandes chances do Swim se tornar realidade, e nenhuma missão completa foi planejada ou financiada. Os micronadadores se comunicariam com a sonda acusticamente (através de ondas sonoras), e a sonda enviaria seus dados via cabo para o módulo de pouso na superfície.

Cada micronadador poderia explorar talvez apenas dezenas de metros de distância da sonda, limitado pela energia da bateria e pelo alcance de seu link de dados acústicos, mas, agindo como um bando, eles poderiam mapear mudanças (no tempo ou local) na temperatura e salinidade. Eles podem até medir mudanças na nebulosidade da água, o que pode indicar a direção da fonte hidrotermal mais próxima. As limitações de energia dos micronadadores podem significar que nenhum deles poderia carregar câmeras (estas precisariam de sua própria fonte de luz) ou sensores que pudessem farejar moléculas orgânicas especificamente. Mas nesta fase, nada está descartado. No entanto, encontrar sinais de fontes hidrotermais é um tiro no escuro. Afinal, o fundo do oceano estaria muitos quilômetros abaixo do ponto de lançamento do micronadador. Mas, para ser justo, identificar aberturas não é explicitamente sugerido na proposta do Swim.

Fonte