MULHER PROCESSA O ESTADO POR NÃO CONSEGUIR EMPREGO DE BABÁ

MULHER PROCESSA O ESTADO POR NÃO CONSEGUIR EMPREGO DE BABÁ

2 de abril de 2019 0 Por Jonas Estefanski
Compartilhar:

MULHER PROCESSA O ESTADO POR NÃO CONSEGUIR EMPREGO DE BABÁ

Será Verdade?

 

 

Esta imagem esta circulando no facebook e virou viral.

Deixe sua opinião nos comentários;

Mulher não consegue arrumar emprego por causa da sua aparência

Não é apenas o que você veste ou como você age em uma entrevista de emprego que pode determinar se você vai sair dali empregado ou não. De acordo com uma nova pesquisa, a aparência do rosto pode ser a causa dessa Mulher não consegue arrumar emprego e pode contar muito também.

Pessoas com desfiguração facial, marcas de nascença ou cicatrizes são mais propensas a receberem piores classificações em entrevistas de emprego do que pessoas que não tem nenhuma marca facial visível.

Mulher não consegue arrumar emprego

Os resultados do estudo mostraram que os entrevistadores lembraram menos sobre as informações dos candidatos com manchas faciais ou desfigurações. Isso consequentemente afeta negativamente a forma como esses candidatos são vistos nas avaliações dos entrevistadores. Mulher não consegue arrumar emprego

 

“Ao avaliar os candidatos em uma entrevista, é importante lembrar o que eles estão dizendo”, disse Mikki Hebl, professor de psicologia da Universidade Rice e coautor do estudo. “Nossa pesquisa mostra que lembrar menos de informações sobre candidatos competentes só porque você está distraído por características de seu rosto diminui a sua avaliação global sobre eles”.

Uma das expressões culturais mais presentes e admiradas em todo o mundo, a tatuagem até hoje é polêmica quando se fala de trabalho. Afinal de contas, isso ainda é um tabu? Sabemos que algumas décadas atrás, exibir tattoos no emprego não era nada bem visto, mas muita coisa mudou de lá pra cá. Mas… será mesmo? O quanto a aceitação das tatuagens são uma realidade ou é apenas um discurso para a imagem da empresa?

ASSIM CAMINHA A HUMANIDADE

Pode ter certeza que no tempo da sua avó, possuir uma tatuagem era crise na família. “Onde vai arranjar emprego com esse negócio na pele?” Bom, não só no tempo da vovó, mas é possível que muita gente hoje em dia ainda escute esse tipo de crítica. Mesmo assim, com o passar das gerações, o preconceito diminuiu naturalmente. Pais na faixa etária de 30 anos, por exemplo, em uma grande parcela possuem tatuagens, resultando em aceitação dos avós e admiração dos filhos.

Porém, isso não é garantia nenhuma em relação ao mercado de trabalho, mais especificamente à visão dos departamentos de RH. Por vezes, a posição da empresa apenas é um cuidado para evitar maus olhares de seus clientes. Um argumento bem comum de se encontrar ainda é: “desde que não apareça, pode ter tatuagem, sem problemas.” Outras simplesmente associam essa questão à imagem corporativa, argumentando que funcionários tatuados causam uma impressão desleixada e agressiva.

Obviamente, nem todas as áreas pensam da mesma forma. Saúde, direito, finanças e engenharia são alguns dos segmentos onde os tatuados podem encontrar olhares mais desaprovadores. Mas é claro que existe uma série de lugares que não possuem qualquer problema em contratar pessoas com tattoos. Se por um lado existem empresas com visão mais conservadora, empregos nas áreas de cultura, beleza, tecnologia e comunicação muitas vezes visam pessoas tatuadas como uma forma de atrair a atenção de seus clientes.

PROCURANDO SEU LUGAR AO SOL

Para quem deseja ir à luta, cabe analisar alguns pontos. Sim, ainda existe resistência por parte de empresas mais conservadoras. Se a pessoa foi contratada com tatuagens, não deve haver nenhum problema quanto a isso. Porém, para aqueles empregados que desejam fazer uma tatuagem e têm dúvidas se a empresa aceitará a mudança, primeiramente deve-se pensar se esta empresa com posição tão inflexível é o lugar certo para você; é nesse tipo de lugar que você deseja trabalhar?

Claro que a situação não está fácil pra ninguém, e ficar dispensando emprego não é algo que a maioria possa fazer. Nesses casos, a opção pode ser simplesmente optar por tatuar em uma parte do corpo que fique oculta no ambiente de trabalho, como costelas e coxas, por exemplo. Existem casos de pessoas que tiveram suas entrevistas canceladas por conta de tatuagens muito à mostra, e outras de perderem promoções devido ao um visual mais alternativo.

Mesmo em lugares onde a tatuagem exposta possa não ser um problema, vale considerar a escolha do desenho, podendo ser ofensivo dentro do ambiente de trabalho, ou ainda o tamanho dele, evitando uma arte muito grande ou chamativa demais.

Falando de acessórios, piercings de orelha ou nariz são até bem aceitos em geral, dando até um toque mais feminino para as mulheres. Porém, peças como alargadores, transversais e aquelas aplicadas no septo nasal tendem a causar impacto e não serem bem vistas nos ambientes de trabalho mais conservadores.

Mulher não consegue arrumar emprego

AS LEIS DO TRABALHO

Mas e para aqueles que sofrem ou já sofreram preconceito pelo seu visual, seja quem já está no mercado de trabalho ou está tentando uma vaga? Será que existe algum respaldo da lei visando defender essas pessoas?

Bem, esse assunto ainda pode ser considerado polêmico pelo fato de não existir uma legislação própria quanto à imagem do trabalhador, que oriente o empregador como agir em processos de seleção ou quanto ao tratamento daqueles empregados mais “desenhados”. Considerando isso, uma pessoa não pode deixar de ser contratada ou ser demitida por conta de possuir tatuagens.

Se um empregado faz uma tatuagem, isso não pode ser motivo para ser demitido, pois de acordo com o artigo 482 da CLT (Consolidação das Leis do Trabalho), se tatuar não está na lista de razões de rescisão por justa causa. Infelizmente, sabemos que na prática a causa da demissão pode estar “camuflada” por outro motivo qualquer. Visando evitar esse tipo de situação, existe um projeto de lei como adição à Lei 9.029 de 1995 que pretende proibir a discriminação de pessoas com tatuagem e piercing no ambiente de trabalho.

O OLHAR DO RH

Além das questões da lei e de como alguém se apresenta para tentar um emprego, é bom observar quem está do outro lado da mesa: os profissionais de Recursos Humanos. Saber o que eles pensam pode ser o que separa você da sua tão sonhada vaga.

Uma pesquisa realizada com 39 diretores de RH de diferentes empresas brasileiras, de diversos segmentos, mostrou que nenhuma possui uma política clara quanto à contratação de pessoas tatuadas. Porém, uma série de dados chama a atenção. 21% dos diretores já deixaram de contratar alguém por ter tatuagem, e 23% deles acham que tatuados passam menor credibilidade.

Fonte