ASTRÔNOMOS DETECTAM CLARÃO 10 BILHÕES DE VEZES MAIOR QUE O SOL

ASTRÔNOMOS DETECTAM CLARÃO 10 BILHÕES DE VEZES MAIOR QUE O SOL

20 de fevereiro de 2019 0 Por Jonas Estefanski
Compartilhar:

Nosso Sol pode soltar algumas explosões solares de vez em quando, mas na verdade é bem silencioso quando comparado a algumas outras estrelas pelo universo a fora. E os astrônomos acabaram de flagrar uma verdadeira explosão gigante de luz. Chama-se JW 566, uma jovem estrela a cerca de 1.269 anos-luz de distância na Nebulosa de Órion. Em novembro de 2016, entrou em erupção em um surto 10 bilhões de vezes mais brilhante do que o nosso sol.

“O evento”, escreveram os pesquisadores em seu artigo, “pode ​​ser o clarão conhecido mais luminoso associado a um objeto estelar jovem e é também o primeiro clarão coronal descoberto em comprimentos de onda submilimétricos”. JW 566 é o que é conhecido como uma estrela T Tauri, uma estrela variável (isto é, cuja luminosidade varia) com menos de 10 milhões de anos, e passando por um período de crescimento tempestuoso, antes de ter massa suficiente para a ignição da fusão de hidrogênio em seu núcleo.

O gigantesco flare.

O Telescópio James Clerk Maxwell no Observatório Mauna Kea, no Havaí, possui um instrumento chamado SCUBA-2. Esta é uma câmera de 10.000 pixels, super-resfriada a -273 °C, incrivelmente sensível a comprimentos de onda submilimétricos. Este instrumento conseguiu capturar o flare, apesar de ter sido extremamente curto – explodindo e dissipando em questão de horas.

“Usando o JCMT, estudamos o nascimento de estrelas próximas como forma de entender a história do nosso próprio Sistema Solar”, disse o astrônomo Steve Mairs, do Observatório do Leste Asiático. “Observar chamas ao redor das estrelas mais novas é um território novo e está nos dando novas visões importantes sobre as condições físicas desses sistemas. Essa é uma das maneiras pelas quais estamos trabalhando para responder às perguntas mais antigas sobre espaço, tempo e o Universo que nos cerca”, concluiu.

Os pesquisadores acreditam que a estrela está ativamente acumulando matéria a partir do disco de poeira que a envolve, e a erupção foi causada por uma interrupção no campo magnético que está afunilando o material na estrela. Agora a equipe continuará monitorando ela na esperança de vê-la explodir em luz novamente. [ScienceAlert]

Fonte