A FAMOSA CONSTELAÇÃO DE ÓRION IRÁ DESAPARECER DO CÉU

A FAMOSA CONSTELAÇÃO DE ÓRION IRÁ DESAPARECER DO CÉU

7 de maio de 2019 0 Por Jonas Estefanski
Compartilhar:

A Constelação de Órion faz parte do céu de verão do hemisfério sul, e é uma constelação muito marcante quase todas as noites. Facilmente visível por seu formato no céu, é o lar do conhecido “Cinturão de Órion”, chamado popularmente no Brasil como “As Três Marias”. Mas assim como qualquer corpo no universo, os astros que compõe a constelação estão em movimento e um dia deixará de existir por conta disso.

Primeiramente, apesar de parecem estar próximas umas das outras, as estrelas de Órion estão muito distantes entre elas. Na região em que a Terra está localizada no universo a partir da posição das estrelas da constelação, elas formam a característica configuração visual todas as noites. No entanto, se você se movesse para outra região da Via Láctea, a constelação mudaria de forma devido a posição que seus olhos estariam vendo as estrelas.

Se as estrelas fossem estáticas, então as constelações não mudariam. Mas as estrelas, incluindo o Sol, viajam em órbitas separadas através da nossa galáxias. As estrelas se movem com velocidades fantásticas, mas estão tão distantes que levam muito tempo para que seu movimento seja visível para nós. Você pode entender isso movendo o dedo na frente dos olhos. Mesmo quando você o move muito lentamente, ele pode parecer se mover mais rápido do que um avião em alta velocidade que está a muitos quilômetros de distância.

Essa animação mostra como Órion irá mudar nos próximos 150 mil anos.

A pessoa que descobriu que as estrelas se movem foi o grande astrônomo britânico Edmond Halley, que também tem um famoso cometa em seu nome. Quase 300 anos atrás, ele notou que algumas estrelas em mapas feitos por observadores do céu grego não estavam mais no mesmo local. Aquelas cartas tinham mais de 1600 anos, e mesmo nesse período, as estrelas brilhantes Sirius, Arcturus e Aldebaran mudaram de posição levemente. Ainda assim, foi o suficiente para Halley perceber que aquelas estrelas devem ter se movido.

Então, sim, é tristemente incrível que não só Órion, mas todas as constelações visíveis vão desaparecer um dia, criando outras formas e novas constelações nos céus. Mas devido ao movimento aparentemente lento para nós e devido as enormes distâncias, isso demorará alguns milhares de anos para ser sentido visualmente. [NASA]

 

créditos